terça-feira, maio 15, 2007

Protect me from what I want

Uma foto dedicada aos meus amigos Sara e Paulo Lázaro que, de vez em quando me visitam aqui, no 100 Cabeças. À beira do Quadrado Amarelo onde tudo se quebrava, transformava e se fazia teatro pelo puro e absoluto prazer de o fazer.
Por ordem, da esquerda para a direita, Paulo Lázaro, Zé Pedro, Sara Afonso, Ana Saltão, Ricardo Aibéo. Atrás do Ricardo, pela testinha, parece-me ser a Rafela Santos. No Quadrado devem estar a Kiki e o Miguel Moreira, em transe hipnótico. Elenco excepcional! Onde se reunem, nos dias que passam, tantas cabecinhas pensadoras de uma só vez? Ainda por cima não tínhamos dinheiro nem para mandar cantar um cego! Com a direcção inexcedível de Ana Nave e o meu modesto contributo mais a boa vontade cega do camarada António Olaio, assim habitámos ao longo de meses o desaparecido espaço Lemauto, à beira do Tejo, do lado de cá, com Lisboa a enfeitar-nos a paisagem.
Estas e outras imagens em http://ctg.com.sapo.pt/historial/historial.html , no site de O GRUPO, esse mítico monstro das artes do palco almadenses.
Beijos e abraços.

P.S. Aquele espectáculo foi uma coisa do caraças, não foi? Ou sou só eu que guardo dele óptimas recordações?

9 comentários:

Lazpa Cllis disse...

Foi, claro que foi, e obviamente que não és só tu que guardas recordações dele, de resto em boa hora se lembraram de renovar o site do "Grupo" e disponibilizar este material precioso.
Aquele quadrado amarelo fica na história por este e outros espectáculos posteriores (um célebre fim de ano, se bem te lembras...).
Muito bem visto, um abraço e os meus agradecimentos, és o maior.

Anónimo disse...

Lembras-te como começou? No Stalker, a zona, o quadrado amarelo. Numa noite, inteirinha.
Os ensaios da "Lição dos Aloés" do Athol Fugard. O Paul Auster a apresentar-se e o "Dancing to the End of Love" a piscar-nos o olho, o Tennesse Willims,mas sobretudo tu e as pessoas. Já foi há muito tempo? Ou ainda está a ser?
Efemero, chamam-lhe eles.

P.S."direcção inexcedivel" parece-me, ora formal, ora acabadinho,hoje temos a noite inteirinha para o "Não sei para onde vou mas estou a caminho". ETOQTMA

Eduardo P.L. disse...

Recordar é viver!

Silvares disse...

Podes dizê-lo, embora estejamos a entrar em zona fantasmática!
:-)

Silvares disse...

Querida anónima "inexcedível", diziam os antigos, era Deus!
:-D

Lord Broken Pottery disse...

Silvares,
A nossa arma é o que a memória guarda!
Abração

cartolas disse...

Foi uma coisa do caraças:)
Obrigada pela foto e saudades também da encenadora...Um passo suspenso de cegonha para ela.

Malaca channel disse...

Lembro-me bem do espaco lemauto e aquilo que se fez por la. Diverti-me como caracas. Do que te foste lembrar. Canibais olhos quadrados amarelos e tudo o mais, bons tempos. Eu que agora estou no outro lado do mundo sabe-me bem.
Mudei-me de vez.
Abraacao do Mario
(isto da falta de acentuacao nao e de proposito)

Silvares disse...

Lord, se assim for tenho armas de destruição maciça! :-)

Sara, por vezes sabe bem recordar coisas fortes que vivemos, a encenadora manda saudades para ti também.

Eh lá, Mário, isso é mesmo verdade, mudaste de vez? Ainda vens daí com os olhos em bico! Recordação por recordação ainda no outro dia encontrei um panfleto do Enigma da Fonte Santa... ena, pá!!!
Diz coisas. Abraço mesmo!