quarta-feira, fevereiro 27, 2019

Futuro próximo

Virá o dia em que uma máquina (um algoritmo altamente sofisticado) saberá melhor do que tu aquilo que te convém, o que é melhor para ti.Uma máquina capaz de tomar as melhores decisões que te proporcionem a maior das felicidades.

Como será o mundo nesse dia (não muito longínquo)?

Virá o dia em que aceitaremos em definitivo o óbvio: as máquinas são mais eficazes do que nós numa série de situações da vida quotidiana e, como tal, teremos de lhes entregar muitas mais responsabilidades.

Diz-me algoritmo, que roupa devo vestir hoje?

A dúvida é: somos nós uma espécie de máquinas de menor potência, eventualmente defeituosas? Ou serão as máquinas uma espécie de seres humanos melhorados (ou piorados, dependendo da perspectiva de quem pensa no assunto)?

Diz-me algoritmo, como devo responder à questão que me foi colocada?

Este admirável mundo que há-de vir (em breve) será mais radioso que o mundo de hoje ou permanecerá, simplesmente, diferente?

Diz-me algoritmo, o que sou eu?

domingo, fevereiro 24, 2019

Em que pensava eu ainda agora?

Há um ruído contínuo. Umas vezes lá ao fundo, outras vezes cabeça dentro; é como uma matraca mas uma matraca por vezes a bater em superfície acolchoada. O silêncio, nas cidades, tornou-se um bem, é produto de luxo ao alcance apenas de uma minoria. Ainda assim é preciso desejá-lo.

O ruído de fundo ininterrupto molda as pessoas. Se, porventura, esse ruído sofre interrupção, logo sobrevém a incómoda sensação de desconforto provocada pela impressão de alguma ameaça eminente. Silêncio implica catástrofe. É como quando as aves desaparecem do céu e se adivinha a proximidade da borrasca.

Viver na cidade exige a aceitação do ruído constante. O ruído faz parte do pacote, nem sequer se coloca a possibilidade de ser recusado. Viver na cidade é aceitar o ruído.

A pessoas como eu, que viveram a infância em ambiente rural e que têm, esporadicamente, a possibilidade de regressar a esse espaço mítico de paisagens verdejantes e montanhas azuladas pela distância; a imposição grandiloquente de um ruído benfazejo não constitui sedução suficiente ao ponto de evitar uma certa náusea, uma certa vertigem, uma quase rejeição muscular.

Por vezes dou por mim a reparar na barulheira, lá por detrás do cérebro e penso: em que pensava eu ainda agora? Lembro-me de uma frase que escrevi num "diário gráfico" dos meus primeiros tempos de estudante, quando troquei a pasmaceira dos espaços que habitei durante a minha infância e adolescência pela Babilónia incansável que é a Grande Cidade; escrevi então "traz-me todo o silêncio que encontrares e pendura-o nessa parede".

Só agora, quase 40 anos volvidos, compreendo o que quis dizer então, só agora alcanço o valor do silêncio.

quarta-feira, fevereiro 13, 2019

Fogo!

A beleza é algo fulgurante, coisa que reconforta a alma... até que a incendeia.
Uma alma a arder não é exclusivo do inferno.

domingo, fevereiro 10, 2019

Revelação

Oh, a obra de arte contemporânea! Ao convocar o espectador no processo de validação do próprio objecto artístico, a obra de arte contemporânea interpreta um papel demiúrgico (Deus está em todas as coisas).

Se um objecto aparenta não ter nada de extraordinário mas consegue transportar o observador para uma dimensão reflexiva transcendente, estamos perante uma Revelação (a obra de arte tem o poder de nos fazer transitar entre diferentes dimensões).

A Revelação é um estado de consciência superior que nos permite penetrar um espaço que, não sendo onírico, é habitado por entidades incorpóreas e que não é regido pelas leis da Física nem da Lógica; um espaço no qual a Física e a Lógica são diferentes ou são a mesma coisa, a dimensão das Coisas antes de terem um Nome. É para aí que vamos quando mergulhamos de cabeça numa Revelação.

Voltando atrás, que já me estou a esticar: a obra de arte contemporânea faz do observador um elo significativo na cadeia de comunicação "emissor-objecto-receptor", invertendo-a, torcendo-a, remisturando-a. Exemplificando: o artista cria o objecto, o objecto transporta um significado potencial que se completa no espectador. Não tendo uma leitura fechada o objecto permite a cada um de nós a construção de uma narrativa individualizada (A Fonte de Duchamp será a semente de tudo isto).

Assim sendo, o observador torna-se, também ele, um artista. A arte contemporânea permite a construção de uma utópica sociedade de artistas, criadores ininterruptos de significados, que é, afinal, aquilo que todos nós somos desde que Deus criou Adão. A Arte é a nossa Eva, o objecto artístico é Deus, a arrancar-nos constantemente costelas e a fazer com elas seres virtuais que nos acompanhem na travessia do paradisíaco deserto que é a nossa vida.

sexta-feira, fevereiro 08, 2019

Divindades raquíticas

Tal como uma obra de arte, também a imagem que concebemos de Deus depende muito de quem a infere e constrói. Os Antigos teriam uma divindade específica para os merceeiros. Tão difícil seria para eles imaginarem um Deus único como, ainda por cima, imaginá-lo como um autêntico merceeiro, capaz de vender benesses (quanto mais elevado o preço pago pelo crédulo mais agradáveis os favores).

As igrejas evangélicas (todas elas?) vendem esta patranha aos incautos e desprotegidos que nelas procuram um lugar de pertença. Quem cobra aos seus fiéis não é de fiar.

Um Deus que especule com o preço das almas como se especulasse o preço do barril de petróleo ou da saca de batatas tem lugar garantido na Barca do Inferno. Os parvos que acreditem em semelhante bufão podem, ainda que vagamente, aspirar a um lugarzinho na Barca do Paraíso.

quinta-feira, fevereiro 07, 2019

Santidade de pacotilha


Kevin Hart

Confirma-se que a cerimónia de entrega dos Óscares deste ano não vai ter apresentador. Não sei se é a primeira vez que acontece nem isso me faz doer a alma. 

O último a declinar o convite para proceder à função foi Kevin Hart, ao que consta por terem sido desenterrados alguns tweets de teor homofóbico publicados pelo actor há oito anos atrás. Aquilo que me provoca alguma tristeza é o facto de não haver ninguém suficientemente puro para apresentar uma coisa tão farsola como os Óscares da academia de Hollywood. 

A malha de observação sobre os candidatos é tão apertada que nenhum ser humano é considerado digno para debitar umas graçolas perante a fina-flor da intelectualidade industrial cinematográfica. Até para fazer aquilo é necessário ter certidão de santidade absoluta. Será que algum dos que se sentam na plateia poderia aspirar a tão elevado estatuto? Parece-me patético. 

Talvez com tempo possa ser criado um avatar computorizado para apresentar a cerimónia. Um ser virtual, sem carne nem osso nem opiniões próprias seja a única coisita à altura.

sexta-feira, fevereiro 01, 2019

Vazio de sentido

Quando as paredes do mundo desabarem vais continuar sentado. Que mais poderás tu fazer? Correr? Fugir?

Mas para onde fugirás tu em louca correria se é o mundo que à tua volta se esboroa, que podes tu fazer? Pois, tenho cá a impressão que o melhor será que continues bem sentado, o melhor será esperares que a estrela negra cante de novo a sua estranha canção, aquela canção que ilumina o céu ao contrário.

Recapitulando: as paredes do mundo já não suportam mais o peso dos buracos e das fissuras que as atormentam e desistem de serem erectas, as paredes do mundo, cansadas, desabam... brrrrrrum!!!

E tu, estupefacto perante o espectáculo, tu não estás surpreendido (já sabias que a coisa ia acontecer), estás absolutamente espantado. Estás fascinado e aterrado. O mundo a desfazer-se é um espectáculo magnífico ao qual preferias nunca ter assistido.

O fim do mundo é tão vazio de sentido.