quarta-feira, maio 02, 2007

Memórias (demasiado curtas)


Eles lá sabiam... mas esqueceram-se.

«Engenheiro José Sócrates, vamos vê-lo, um dia, primeiro-ministro?»
«Não! Primeiro, porque não tenho o talento e as qualidades que um primeiro-ministro deve ter. Segundo, porque ser primeiro-ministro é ter uma vida na dependência mais absoluta de tudo, sem ter tempo para mais nada. É uma vida horrível e que eu não desejo. Ministro é o meu limite.»

JOSÉ SÓCRATES, ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território.
Dna, 16 de Setembro de 2000


«Tem esperanças de um dia passar a ser o número um [do PSD]?»
«Não! Nem pensar! Essa perspectiva está completamente fora do meu horizonte.»
«Por que o diz de forma tão determinada?»
«Porque não tenho qualquer tipo de dúvidas. Tenho noção das minhas qualidades e das minhas limitações.»

MARQUES MENDES, então líder parlamentar do PSD.
VIP, 20 de Janeiro de 1999


É lixado quando registam todas as parvoíces que dizemos e, mais tarde, nos mostram como eram, na verdade, parvoíces completas, daquelas que ajudam a definir o conceito.

5 comentários:

sara disse...

Silvares. Rui?

Sara Afonso disse...

...estou muito curiosa em saber se és memo tu!...deves ser...aposto que sim!!!Um beijo

Silvares disse...

Sim, sou eu mesmo!
Clica aí no link de O GRUPO e va dar uma olhadela ao "Historial".
:-)

Sara disse...

Já espreitei!Gostei de voltar ao quadrado amarelo.
Virei ler-te por aqui e ver-te pelo Carapau Staline.

Silvares disse...

És mais que bem vinda!