quinta-feira, setembro 11, 2008

If the world could vote? (sigam o LINK)




Uma curiosa iniciativa que, pelo menos, terá um efeito apaziguador de eventuais azias que possamos vir a sentir no dia 4 de Novembro, quando os "américas" elegerem o próximo sobrinho do Tio Sam (foi o João Samões que, num comentário a um post anterior, deu a pista).

É ir até ao lugar a que nos conduz o link onde está a decorrer esta votação virtual, votar e divulgar. Seria interessante enviar o resultado num envelope para Washington e metê-lo numa urna.

Posted using ShareThis

7 comentários:

Eduardo P L disse...

Uma pena que a percepção do ELEITOR americano, que é quem conta, é muito diferente da dos outros mortais do mundo!
Já esta no Drops! O Varal não se mete em política, muito menos Americana!
Como foi a abertura da exposição?

Forte abraço

Silvares disse...

Já ouvi alguém dizer que uma eleição como essa não deveria ser entregue apenas nas mãos dos eleitores americanos. É uma ideia...
A exposição teve pouca gente no dia de abertura mas a conversa foi óptima! Conheci algumas pessoas novas, encontrei outras que já não via há algum tempo, só por isso já valeu a pena!
:-)

expressodalinha disse...

Está votado. A Europa vota sempre no candato da chamada esquerda(?). Mas eles não...

disse...

Já está virando uma constante eu "roubar" suas ótimas postagens e ou dicas sobre a política americana...Espero que tudo bem...
Um abraço e obrigada.

Eduardo P L disse...

O MAPA da votação, por paises e proporções é muito eloquente

roserouge disse...

Já votei. Interessante como Portugal é dos países mais participativos. Porque será?

Silvares disse...

Jorge, a Europa é muito esquerdista. Pelo menos no preenchimento de boletins de voto.

Ví, ponha e disponha, não tem que hesitar!
:-)

Eduardo, estou com curiosidade na evolução da "votação". Parece que, no resto do mundo o Obama vai arrasar... menos onde interessa!

Roserouge, deve ter a ver com a divulgação da coisa. Se não estou em erro (pelo menos ontem) a Islândia era o país com o maior número de votos. Será uma iniciativa islandesa?