terça-feira, abril 24, 2007

O Homem Duplo



Acabei agora mesmo de ver "A Scanner Darkly" em DVD, "O Homem Duplo" em português, retomando o título da edição da Colecção Argonauta que tenho para ali na estante.
O filme tem aspectos interessantes, principalmente a técnica utilizada. As cenas filmadas são tratadas em computador, desenhadas por cima e coloridas à maneira dos Comics americanos. O resultado é visualmente estimulante, embora não resulte sempre bem (O trailer aí em cima não faz justiça ao brilho nem à definição das imagens no DVD). Há cenas menos felizes, outras mais conseguidas.
A narrativa segue o original de Philip Dick. Ao longo do filme fui assaltado por memórias absolutamente esquecidas. É incrível como as coisas nos ficam gravadas no cérebro. Está lá tudo, armazenado algures, à espera do momento em que nos recordamos. A maior parte da informação fica esquecida para sempre. Dizem que vem tudo de uma vez no momento da nossa morte. Quando soubermos se isso é verdade já não interessará muito para esta vida, pois não?
Voltando ao filme. Foi um fracasso comercial de tal modo estrondoso que nem chegou ao circuito comercial em Portugal.Houve uma ou duas sessões aí no Indie Lisboa e agora saíu em DVD. Após ver o filme percebe-se que a adaptação não resulta grande coisa. O fluxo narrativo tem alguns solavancos incómodos.
Resumindo e concluindo, não sendo nenhuma obra-prima não deixa de ser uma experiência curiosa. Para quem goste de Philip K. Dick e tenha lido "O Homem Duplo" será, decerto, uma interessante visita ao passado vestido com um fato do futuro.
Fico à espera de quem se atreva a pegar em "Os 3 Estigmas de Palmer Eldrich".

2 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Vamos conferir, embora não seja minha praia preferida!

Silvares disse...

Merece uma olhadela mais pelo aspecto plástico que pela narrativa. Imprescindível só mesmo para fâs do autor do livro.