sexta-feira, janeiro 04, 2008

Fumar mata!

As novas leis restritivas do consumo de tabaco em locais públicos fechados têm dado muito que falar. A favor ou contra, as opiniões chovem de todos os lados. Por ser matéria na qual não é necessário doutoramento para se ser doutor, ouvem-se teses e teorias do mais abstruso ao mais profundo e enigmático, apresentadas por personagens que nem pestanejam do alto de suas tão grandes certezas. É um verdadeiro regabofe.

Não somos os únicos cidadãos da Europa a terem de se habituar a uma nova realidade na satisfação do santo vício. A restrição alastrou Europa fora como fogo em milho seco. Na minha opinião (A quem pode interessar a minha opinião? Afinal não passo de mais um dos muitos milhões de doutores neste assunto mas, enfim...) é evidente que quem não fuma só pode sentir-se vitorioso por ver os seus direitos resguardados. Aplaudo. O que já me parece abuso grave é fazer tábua rasa e impedir o fumo em todos os lugares públicos, sem deixar margem de decisão para os proprietários de bares e cafés. Outra coisa grave é a forma como se pretende fazer cumprir a lei, incitando o comum cidadãozito a bufar os que se atrevam a quebrar a regra. Aliás, já não é a primeira situação em que o actual governo propõe que sejamos polícias de costumes.

É bem visível que se está a fazer do nosso país e da Europa um imenso jardim infantil onde os meninos bons se sentem no direito de acusar os meninos maus ao professor e ficam para assistir ao castigo.

Na minha qualidade de fumador convicto a coisa não me irá afectar muito uma vez que já há muito tempo que não fumo em cafés ou restaurantes. O pior vai ser quando for ao bar nocturno... em casa já só dou umas fumaças à janela e no local de trabalho... é segredo meu.

Esta lei incomoda mais pela forma que pelo conteúdo e vem mostrar que cada vez mais o Estado sente a força e o direito de meter o nariz onde não é chamado. O problema maior é que o Estado sofre da doença do Pinóquio. E se mente!!!


12 comentários:

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Isso é mais uma das conseqüências da hipicrisia intelectual.
No meu país o tabaco paga uma fortuna de impostos. Quem paga esses impostos é o fumante, por opção dele, livre e democrática! Ou não se vive numa democracia?
É uma lei semelhante a que obriga a usar o cinto de segurança em veículos. No Brasil morrem mais pessoas pela violência do que no Iraque em guerra civil!
O trânsito mata mais do que cigarro!
O ar poluído de São Paulo, com 15 milhões de carros (sim, mais do que Nova York) deve matar metade dos que morrem de morte morrida !!!
E a hipocrisia continua!

guida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
guida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvares disse...

Luiz, a coisa que mais gente mata acaba por ser a vida!

Eduardo P.L. disse...

Silvares,

é verdade. Se mata a vida a cada dia dela! É inevitável....

(;-(

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Isso é inexorável pois, por não ser eterna, a vida começa a morrer desde o instante em que nasce!

Silvares disse...

Amigos, caramba, jogando com as palavras e as ideias poderia mesmo dizer que os seres vivos não vivem, antes vão morrendo.
Estranha coisa...

Jo-zéi F. disse...

Até respirar mata, com mais ou menos fumo.
Já não se pode encher o ambiente todo de fumo, aquelas bafuradas.
Há quem goste e gostos não se discutem.

Silvares disse...

Como disse o Luiz Santilli algures: proibe-se o fumo em cidades com milhões de automóveis em actividade. Caricato, não?

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Eu ainda diria:
Viver faz mal à saúde!
Morra antes que a vida o mate!

Silvares disse...

:-)

peri s.c. disse...

Caro Silvares
Aqui em São Paulo, acabam de proibir que motoristas fumem em seus próprios carros. Uma lei proposta por um pastor evangélico. Caminhamos para fundamentalismos genéricos.