quarta-feira, julho 25, 2007

Puxar o Charrua

O que se segue pode parecer patetice mas se calhar até nem é.
O professor Charrua foi acusado, suspenso e posto a andar da Direcção Regional de Educação do Norte (DREN) por ter, supostamente, insultado José Sócrates, actual 1º ministro da nação portuguesa.
O professor foi "bufado" por um colega que, segundo ouvi dizer ao próprio Charrua em entrevista que passou no Telejornal da RTP1, acabou nomeado assessor directo da senhora que manda na DREN. Como classificar esta ascensão profissional de um bufo que vê premiado o facto lamentável de ser um refinado sacana? Dizem que o crime não compensa... depende daquilo que entendamos ser crime. A senhora que manda na DREN promove o seu cãozito-de-fila após expulsar o mauzão do Charrua. O caso deu brado e pôs toda a gente de bem a berrar na praça pública: que isto não pode ser, etc. e tal. Ao que parece a berraria até que deu resultado. Pelo menos começam a verificar-se resultados mais ou menos animadores.
Veio ontem a senhora ministra da educação dizer que não pode haver condenações por delito de opinião e que, assim sendo e num gesto de estupidificante magnanimidade, o processo disciplinar que a senhora que manda na DREN tinha instaurado ao professor Charrua será arquivado. Palmas, palmas, muito bem senhora ministra, até que enfim há razões para aplaudir uma medida tomada por Vossa Excelência. Mas, desculpe lá, estava aqui a pensar, então o que acontece à senhora que manda na DREN? Não acontece nada? E ao seu mais recente assessor (se Charrua falou verdade há um novo assessor da senhora que manda na DREN), esse animal de pêlo curto? Afinal de contas a senhora que manda na DREN abusou nitidamente do poder de que está investida pelo ministério que representa. Abusou, não abusou? Com as suas atitudes de saloia mal formada que se vê no papel de governanta do palácio, a senhora que manda na DREN merecia, no mínimo, ser demitida do cargo. Ou não? Se calhar estou a ser demasiado severo na minha apreciação.
Por outro lado quer-me parecer que a senhora ministra foi, desta vez, demasiado lenta a tomar uma atitude. Se tivermos em consideração o seu habitual modus operandi, ficamos com a sensação de que está a fazer de conta que não há problema nenhum com a senhora que manda na DREN, que até lhe aprecia as "qualidades" que revela em todo este processo digno da mais mesquinha tradição do Santo Ofício.
No actual ponto de rebuçado de toda esta salsada temos o Charrua a clamar justiça, com os dentes filados na senhora que manda na DREN e no seu mocito de recados e a senhora ministra a assobiar para o lado, a fazer de contas que, pronto, agora está tudo bem e podemos voltar a fingir que vivemos num sistema verdadeiramente democrático. Mas não me parece que isto possa ficar por aqui.
Para terminar este texto que já vai longo deixo apenas uma nota final sublinhada: a licenciatura de José Sócrates continua muito mal explicadinha e ainda vai fazer rolar muitas cabeças. Falta saber quais.

6 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Política interna. Intestina!

Silvares disse...

Intestina, dizes muito bem!
:-)

guida disse...

"mesquinha tradição do Santo Ofício" dizes? gloriosa, amigo, gloriosa! Ou não é a glória o que alcançam os delactores e os lambe-botas sob a forma de promoções e benesses várias?

Silvares disse...

Se é verdade que o bufo foi promovido devido à bufice estamos mal...
O Pintor de Batalhas está cada vez melhor. Hoje até li um capítulo ao acordar!!!

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Acreditas que este assunto até me deixa mal disposta?

Espero que não fique por aqui, francamente.

Silvares disse...

A técnica tem sido deixar estar para ver se o pessoal acaba por esquecer. Mas neste caso há muito barulho. Vai ser difícil deixar passar...