quinta-feira, junho 24, 2010

Síndroma de Salomé


Há por aí quem tema pela sorte dos jogadores da Coreia do Norte quando regressarem ao seu país-prisão, após o Mundial. Na conferência de imprensa depois do jogo dos 7-0, Tiago foi questionado por um jornalista asiático que lhe perguntou se sentia algum receio pelos seus adversários. O jogador português respondeu daquela forma que só os jogadores de futebol sabem responder, dizendo uma mão-cheia de coisas que não querem dizer nada de especial.

Segundo rezam as crónicas, os jogadores da Coreia do Norte que foram derrotados pela selecção portuguesa em 1966, acabaram em campos de concentração e trabalhos forçados. Como o tempo está suspenso naquele local impossível, depreende-se que, desta vez, os resultados possam ser semelhantes.

Como se não bastasse terem o destino suspenso sobre as suas cabeças, os jogadores norte coreanos foram vítimas de um azar particular uma vez que, talvez esperançado numa jornada épica que elevasse ainda mais a sua condição de divindade de pacotilha, o Querido Líder permitiu que, pela 1ª vez na história, o desafio fosse transmitido em directo pela TV. Não consigo imaginar maior catástrofe para os jogadores que tiveram de suportar o jogo português.

Andamos nós sempre a reclamar do empenho e do profissionalismo dos nossos jogadores. Que não correm, que não cantam o hino nacional, que não comem como deve ser, que não merecem as fortunas que ganham à laia de ordenado, eu sei lá que mais. O que pensarão os cidadãos da Coreia do Norte em relação aos seus jogadores? Serão eles juízes implacáveis do desaire dos seus compatriotas? Estarão tão sedentos de sangue quanto os cidadãos franceses que parecem dispostos a comer os jogadores gauleses num pratalhão em receita de nouvelle cuisine?

O futebol torna-nos irracionais e, a quente, após uma derrota pesada que nos transforme sonhos em pesadelos, somos capazes de pedir cabeças humanas como se fôssemos Salomés. Isto é apenas um jogo, não é uma questão de vida ou de morte, nem as equipas de futebol são exércitos à conquista de territórios inimigos. Não são, pois não?

15 comentários:

Eduardo P.L disse...

...e a Itália acaba de perder e volta para casa! Os tempos mudaram, definitivamente!

Silvares disse...

Isto está mau para os campeões do mundo.
;-)

Caçador disse...

Também já pensei nisto e, sinceramente, tenho penas dos moços coreanos. O melhor que tinham a fazer era desertar, como fizeram alguns atletas da cortina de ferro nos jogos olímpicos de outros tempos.

Rui Sousa disse...

Rui,
como diria um famoso dirigente do Liverpool dos anos setenta:
" o futebol não é um caso de vida ou de morte, é muito mais do que isso "

Beto Canales disse...

Já não tivemos guerra por causa dele? Já não tivemos assassinatos?
Eu não duvido de nada...

Silvares disse...

Caçador, pois, eu no lugar também preferia ir para o deserto...

Rui, é tanto que nem percebo o que seja!

Beto, dinastia comunista, dizem, seja lá isso o que fôr.

Olaio disse...

Rui quantas estupidez, mentira e repetição acéfala do discurso das centrais de “informação” há neste post.

"há por ai quem tema pela sorte dos jogadores da Coreia do Norte"... temem ou desejariam que eles fossem trucidados para sua alegria? E já agora quem são eles, esses que temem tal coisa?

"Segundo rezam as crónicas, os jogadores da Coreia do Norte que foram derrotados pela selecção portuguesa em 1966, acabaram em campos de concentração", mas que raio de crónicas é que narram isso?

Aquelas que se fartam de vomitar mentiras constantemente?

Se procurasses outras crónicas diferentes talvez ficasses a saber que ainda hoje os sobreviventes dessa equipa, que chegou aos quartos de final, são hoje verdadeiros heróis nacionais conhecidos pelos "Chollimas" (os cavalos alados da mitologia coreana), com destaque para para Lee Chang Myung, o mais medalhado. Sobre o feito há um documentário realizado que é uma verdadeira paixão na Coreia do Norte - "O jogo das suas vidas" (The Game of their lives), de Daniel Gordon, quando a equipa da Coreia eliminou surpreendentemente a Itália, passando aos quartos de final onde jogou contra Portugal.

(http://www.youtube.com/watch?v=fZcARgTqADU)Neste endereço podes ver um vídeo com os "infelizes" coreanos.

Para a próxima vez que fizeres um post sobre a Coreia do Norte tenta, pelo menos, informar-te mais um bocadinho, para não só debitares as mentiras que a porcaria dos meios de comunicação, autênticas vozes do dono vomitam constantemente.

É como a estupidez e vómito de que 4 Norte-Coreanos tinham desaparecido, quando afinal se ficou a saber que há jogadores desse país que sem qualquer problemas jogam no estrangeiro.

Já agora, sabes porque é que já não se fala do caso do barco Sul Coreano afundado, matando dezenas de marinheiros e que a princípio a Coreia do Sul e EUA juravam ter sido os Norte Coreanos?
Claro que não sabes, porque depois de fontes independentes e da ONU terem percebido que foram os americanos (mais um erro, tipo fogo amigo, confundiram-nos com Norte-Coreanos), calaram-se deixando ficar no ar as acusações aos monstros do Norte.

E não penses nem venhas com a treta de que isto tem a ver com "paixões" pelo querido líder, tem só a ver com o verdade e o não andar a repetir acéfalamente as patranhas da direita mais reaccionária e com o defender o direito dos povos a escolher o seu próprio destino.

E já agora desculpa qualquer coisinha do principio do comentário :))

Olaio disse...

Já agora e a propósito do que aconteceu aos "herois" de um lado e outro do mundial de 1966 era bons que as pessoas reflectissem um pouco sobre a forma como acabaram alguns dos nossos herois, nomeadamente José Torres que acabou os seus dias na miséria, doente com Alzheimer e a viver da ajuda de amigos.
Sempre podias fazer um post sobre a história desse GRANDE jogador do Benfica!

Silvares disse...

Ok, admito que não me informei devidamente sobre os cavalos mitológicos. Aí tens razão. O que pretendia enfatizar no post era a tal sindroma de Salomé que nos leva a pedir as cabeças daqueles que idolatramos quando eles não satisfazem as nossas expectativas. Certamente conheces a peça de Oscar Wilde e compreendes o que quero dizer. Aliás, coloco a questão de saber se os adeptos coreanos são tão sedentos de sangue quanto os franceses. Parece-me que não. Mas como posso saber? As notícias que me chegam lá da Coreia do Norte são menos que nenhumas. Porquê? Não imagino, ao que parece aquilo é uma espécie de paraíso terreal, porque farão tanto segredo da sua felicidade? Invejosos...
Realtivamente ao Torres tens toda a razão. Também fiquqi de lágrima ao canto do olho quando vi a forma como acabou os seus dias. Miserável país este. E miserável país aquele que é dominado por uma dinastia comunista. Dinastia comunista? O que é isso?

Caçador disse...

Fogo Silvares, se não te pões a pau ainda vais para um centro de reeducação. Ou pior, ainda vais dar aulas de folclore para os pioneiros.

Lina Faria disse...

"se há governo, sou contra!"
Isso é quase normal.

Gente, que maniqueísmo!
Acho prerrogativa de qualquer cidadão opinar sobre seus dirigentes, seu regime.
Isso não o condiciona a ser de direita ou esquerda.
Que discussão antiga!

expressodalinha disse...

Há casos em que o futebol é nacionalismo irracional e, pior, símbolo de patriotismo. Nas ditaduras é pior, como se sabe desde os tempos de Hitler, pelo menos... Ainda bem que por cá é tudo soft, brandos costumes e no fundo tanto faz qualquer coisa.

Silvares disse...

Caçador, burro velho não aprende línguas (nem ensina ballet a putos com cabeça de burro).

Lina, entre mim e o Olaio essa discussão não termina nunca. É mais prazer que outra coisa.
:-)

Jorge, há coisas que em Portugal parecem ser diferentes...

Olaio disse...

Como referi Rui, o que está em causa é a utilização de informações verdadeiras para se poder reflectir sobre as coisas correctamente ou pelo menos o mais corectamente possivel.

Nisto tudo há uma coisa que me faz espécie, se aquela "dinastia comunista" é assim tão má, porque é que os meios de desinformação em massa precisam de inventar tantas mentiras sobre eles, bastava dizer a verdade. Estranha coisa esta, porque será?

Silvares disse...

Talvez seja complicado narrar o que não se vê, falar com clareza do que é escondido no escuro. Se a dinastia comunista é tão maravilhosa porque se esconde do mundo como se fosse um bicho purulento?