sexta-feira, janeiro 29, 2010

Raispartam!!!


Desta é que eu não estava à espera. Que a Mona Lisa seja um retrato de Leonardo ou que tenha nascido um bezerro com mais patas que uma centopeia ainda vá que não vá, mas isto deixa-me mesmo desanimado. Então não é que o Papa João Paulo II se auto flagelava e dormia núzinho no chão (ler notícia aqui). Mais e mais estranho é que isto não só parece perfeitamente normal aos olhos dos católicos mais fundamentalistas como ainda são argumentos na justificação da santidade do polaco.

Enquanto o homem foi vivo nunca lhe achei grande piada mas, depois de morto, lá se deu aquela coisa habitual e comecei a pensar que o tipo até nem tinha sido assim tão esquisitóide. Mas agora isto! Não, isto assim não dá. Então um gajo daquela estatura moral precisa de se açoitar com um cinto para se sentir próximo de Jesus Cristo? Que gaita! Eu a pensar que a fé era uma coisa abstracta e, afinal, tem a ver com carne dilacerada e sofrimento atroz. Um Santo da Santa Igreja Católica Apostólica Romana dorme nú no chão para sofrer e se aproximar de Cristo no sofrimento? Cristo dormia nú no chão? Em que Evangelho vem isso? A imagem de um velho a dormir enregelado num chão qualquer é perversa, chega mesmo a meter um bocadinho de nojo. Mas sempre dá para compreender um pouco melhor aqueles fanáticos alucinados que se fazem crucificar na Páscoa lá para as bandas das Filipinas. A julgar pelo exemplo de João Paulo II esses crucificados são autênticos exegetas.

Estas vias para a santidade mais parecem caminhos trilhados no inferno em direcção a um buraco aberto fundo numa alma destrambelhada. Se João Paulo II era assim não quero sequer imaginar do que é capaz este Bento XVI com a sua cara de tão poucos amigos.

Não quero alongar muito mais esta sucessão de imagens depravadas quero apenas deixar uma pergunta no ar: que raio de coisa é, afinal, a santidade?

11 comentários:

Chapa disse...

É um bom exercício de imaginação, pensar na figura do Bentinho, com botas altas, lingerie negra, cinto de ligas e tudo e a autoflagelar-se com um chicote Prada. Ou talvez com a ajuda de alguma beata, porque o chicote sempre pesa um bocado e o prazer masoquista merece concentração absoluta.
E é nestes velhos decrépitos, fanáticos e dementes, que milhões de pessoas acreditam. Era muito mais fácil e simples aquela visão marxista do ópio do povo.

Lina Faria disse...

Silvares,
acho que a igreja católica se ridiculariza cada vez mais.
Como não existem verdades, sim interpretações, o que vimos e sabemos são absurdos totais.
Se o então papa fazia esses absurdos e o deixava público, é puro marketing. Se descobriram o que era segredo, é pura demência.
Que usasse essa energia e "coragem" a uma causa mais justa.
Também, essa mania de canonização me irrita profundamente. Não estão querendo canonizar a decente médica Zilda Arns, por ter sido uma pessoa abnegada e inteligente no combate à mortalidade infantil?
É a banalidade da fé de inocentes. Me poupem!

Beto Canales disse...

Se eu te contar que recebi ameaças de morte porque falei de religião tu acredita?? decerto esquisitos são os que condenam um sujeito se auto-mutilar em nome de sei lá o que. Meu amigo, ando pelo pescoço com as tais das religiões. Imaginar o sujeito pelado dormindo no chão me trará pesadelos.
Abraços
Beto

Eduardo P.L disse...

Rui, até comentamos cá no Brasil, em recente encontro de blogueiros de Portugal e Paulistas, que você andava falando muito de religião, e sobre tudo do papa! Algum problema?
Tem coisas muito mais importantes! Ou não?

Silvares disse...

Chapa, não deixes que a tua mente fotográfica ganhe demasiado protagonismo. Parece-me que a coisa seria bem mais simplória do que estás a imaginar! Mais crua. Mais cruel. Chiça!

Lina, quer-me parecer que a fé dos crentes é uma coisa mais pura e simples do que as obscuras vias para a santidade.

Beto, eu vi esses teus "arrufos" com certos anónimos que por aí se escondem nas sombras virtuais. O fundamentalismo tem muitas faces e são todas hediondas.
Tenho vivido uma vida por noite. Ontem foi uma "Noite sem Amor", o que significa que as vidas estão quase todas vividas.

Eduardo, não há nenhum problema particular. Tive uma educação religiosa durante a minha infância, como era normal nos tempos da minha meninice. A descoberta do mundo foi-me mostrando como certas coisas em que eu acreditava ingenuamente não eram tão ingénuas assim. Há milhões de coisas importantes, a religião é uma delas. Das mais importantes, a meu ver, até pelas relações que existem entre esse universo e o das artes. Quanto ao Papa nada de especial também. Neste post a questão é, aliás, a da via para a santidade. Um santo precisa de infligir sofrimento a si próprio?

Eduardo P.L disse...

Como não acredito em Santos, deuses, e que tais, não posso responder sua questão!

Olaio disse...

Parece q deus escreve direito por linhas tortas... e bastante duvidosas.

Caçador disse...

Eu bem que tenho procurado a santidade, mas pela via da masturbação.

Chapa disse...

Os caminhos que levam à santidade são vários, que o diga o caçador que tenta lá chegar desde pequeno.

Ví Leardi disse...

Como sempre a inteligência e pertinência de seus textos fazem deste teu 100 Cabeças um dos maiores motivos para... retornarmos !!!

Silvares disse...

Eduardo, se não acredita então a resposta é negativa...

Olaio, Deus não parece saber o que sejam linhas direitas!

Caçador, e que tal, és santo?

Chapa, o Caçador é um brincalhão...
:-)

Ví, bons olhos a (re)vejam.