sexta-feira, fevereiro 29, 2008

Sexta-feira

Robinson Crusoé ( link de acesso a E-book com texto integral em inglês http://books.google.pt/books?id=N3j6lAqRmwEC&dq=robinson+cruso%C3%A9&pg=PP1&ots=s_QyOr2ME5&sig=JzPQK5PD8CA4RfR-PpJQTYGcQAc&hl=pt-PT&prev=http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=robinson+cruso%C3%A9&sa=X&oi=print&ct=title&cad=one-book-with-thumbnail) chamou Sexta-Feira ao Sexta-Feira por se terem encontrado a uma Sexta-Feira. Robinsosn Crusoé teria a capacidade criativa de um armário de cozinha ou encontrou naquela designação uma forma de evitar pensar muito no assunto?
Vincent van Gogh (link de acesso a uma das milhentas páginas sobre o pintor louco http://www.vangoghgallery.com/), um dos mais populares artistas de todos os tempos para os habitantes do momento actual dos últimos anos no mundo ocidental, pintou muitas obras (em muito pouco tempo). Paisagens, retratos, objectos, espaços interiores. Searas, pessoas comuns, quartos e pares de botas. Tinha Vincent a imaginação de um roupeiro com espelho ou encontrou nestas temáticas uma forma de evitar gastar muitas energias a decidir sobre o motivo da sua acção, podendo concentrar-se mais em aspectos técnicos de execução?
Eu próprio tenho andado a pensar que raio hei-de fazer com a minha falta de vontade para desenhar, pintar ou, mais simplesmente, a minha falta de chama criativa que me tem assombrado a existência nestes últimos tempos. Sinto que possuo a imaginação de um aparador em madeira de nogueira ou carvalho.
Dou comigo a pensar que, quando a imaginação se parece mais com algo que literalmente não pode existir porque não existe de facto (não tem corpo, não mede, não se cheira, nem nada dessas coisas) resta-nos sempre a realidade, seja lá isso o que for.
Vai daí tirei a foto acima a uma "jarra" com quatro flores que roubei à vida quando as arranquei de um canteiro na rua numa viagem de regresso da escola para casa.
Não se vê lá muito bem (clicando na imagem já se vê bem melhor) mas o Cristo Rei está lá ao fundo, atrás do telhado à esquerda e, do lado direito, há um avião (da minha varanda vê-se um corredor aéreo de entrada para o aeroporto de Lisboa). Ali em baixo, do lado direito, cortado pelo parapeito onde assenta a "jarra", surge uma personagem em simples silhueta cortada. As nuvens parecem ter sido dispostas cuidadosamente em conjugação com as flores, numa composição pictórica.
Dei por mim a pensar como a criação pode ser acaso e o contrário também é válido, como a criatividade depende tanto de quase nada. Uma foto tirada na varanda, num momento de algum fastio. Sexta-feira.
Isto deixou-me em paz em com o mundo. Com a minha rua, pelo menos.

5 comentários:

Só- Poesias e outros itens disse...

Não sei o que dizer, ou melhor digo: angústias e crises é o que todo artista sente, e qual o fio da meada, recuperar memórias, como você fez, e o que fazer com ela, abstrair, sentir, remoer o estomâgo.... e outras tantas coisas...
o que posso dizer? não sei.
Sei o que me tocou...
e que fez perder-me
por segundos em suas palavras.

(é bom ter olhos para ver)

bjs.

JU gioli

Jo-zéi F. disse...

Já dizia o Picasso: "às vezes a inspiraçäo vem ter com o trabalho".
E lá está o Cristo Rei pousado no telhado.

Eduardo P.L. disse...

Silvares,

sexta inspirada! Texto e imagem, muito bons!
Vai para o Varal, Claro!!!

Bom fim de semana!

Silvares disse...

Amigos meus, ando um pouco lamechas mas isto passa! De facto e na verdade sinto uma certa saudade de há uns bons 20 anos atrás. A criatividade parecia ter uma fontezinha algures, dentro da minha cabeça, agora está meio avariada. Mas tem dias!
Bom fim-de-semana para todos!

Silvares disse...

Ha, Jo-Zei, o velho Picasso sabia muitas coisas, sabia sim senhor!