quinta-feira, abril 30, 2009

Uma foto cubista

Encontrei esta foto (não é própriamente uma foto mas uma montagem por sobreposição ao que pude constatar) da autoria de Pablo Picasso. Trata-se de um retrato do pintor naïf conhecido por Douanier Rousseau. Um estranho retrato, de facto, concebido em 1910, na época em que Picasso e Braque andavam com o Cubismo às voltas nas respectivas cabeças.
A forma como a figura se funde e confunde no (falso) fundo, mostra bem o anseio dos cubistas em criarem imagens que oferecessem uma visão desajustada daquela que a máquina fotográfica tinha para nos oferecer. Este trabalho está de acordo com a idealização pictórica que viria a ser desenvolvida por estes artistas, interessados em contrariar o óbvio, introduzindo na pintura europeia uma dimensão intelectual e mental que, até aí, era inexistente e, como é claro, desconhecida.
Esta imagem mostra também como o Cubismo, apesar do que parece ser o senso comum, não se afastou assim tanto da realidade, antes a interpretou por outras vias. Picasso e Braque, mesmo nas suas obras mais herméticas, representaram sempre pessoas, objectos ou paisagens, nunca tendo entrado decididamente no campo da abstracção pura.
Abriram a porta, é um facto, mas preferiram não ser eles a entrar naquele mundo fantástico da pintura sem objecto que estava ali mesmo à beira. Esse trabalho ficou para outros.
É uma foto deveras curiosa.

9 comentários:

Eduardo P.L disse...

É mesmo!

jugioli disse...

Simplesmente fantástica. Adoro essas desconstuções cubistas.
Obrigado por nos contar as teorias sobre esse tema.

bjs.
@dis-cursos

expressodalinha disse...

Boa abordagem. Excelente foto.

Silvares disse...

Amigos, estava a ficar preocupado por não sentir impulso para postar nada que não fosse sobre a gripalhada. Então lembrei-me de Picasso e... pronto, fiquei curado!
:-)

disse...

...e que grande cura.
<;-)

Eduardo P.L disse...

Picasso esta mesmo fazendo falta no marasmo artistico dos dias de hoje!

Silvares disse...

Ví, cura santa!

Eduardo, se Picasso surgisse nos dias de hoje é provável que não déssemos por ele. A menos que tivesse algum crítico amigo ou um galerista importante.
:-)

claudio boczon disse...

ou esqueceram de bobinar o filme...

...mas o Rousseau imerso em sua temática é uma sacada e tanto.

Silvares disse...

Claudio, não tenho a certeza mas penso que esta imagem não foi sacada em filme, é coisa retorcida lá da mente do Pablito...