terça-feira, abril 14, 2009

Bang, bang!


Appaloosa é um western, um filme de cowboys com muitos boys e apenas uma cow (que na verdade é um bull). Trata-se da segunda realização de Ed Harris (o seu primeiro filme foi o excelente Pollock), um actor com estofo e o aspecto certo para dar corpo e vida à personagem de Virgil Cole, um intrépido defensor da lei com cara fechada, marcada e desenhada por rugas fundas, um pouco à maneira do grande Clint Eastwood.

O filme tem uma realização sóbria. Os enquadramentos são exemplares e a reconstituição dos ambientes e cenários parecem-me extraodináriamente cuidadosos.

As personagens ligam-se com segurança numa acção globalmente bem descrita. Não faltam os duelos nem o bando de índios renegados. Lá está uma pianista sedutora e frágil, uma prostituta inteligente e conhecedora das coisas da vida. Os cowboys são violentos mas ingénuos no que toca a questões sentimentais. Uns bébés grandes com pistolas e espingardas nas mãos, como de costume.

Pessoalmente gostei deste Appaloosa mas já li críticas pouco elogiosas. Nada de mais (nem de menos). Nem todos sentem saudades dos velhos westerns ao ponto de se sentirem agradados com os novos.

15 comentários:

Eduardo P.L disse...

O que me impressiona é o "inesgotavel" desse gênero de cinema! Quando parece que tudo já foi dito, feito, e filmado, sobre o western,surge um novo filme, e como você diz, recomendável.
Vou conferir!

Silvares disse...

Há sempre um realizador que decide regressar ao velho Oeste e faz mais um filme que se vê com agrado. O melhor de todos os westerns que já vi é "Imperdoável", de Clint Eastwood que é um filme razoavelmente recente (1992).
Abraço.

Chapa disse...

Os caubóis nunca mais serão os mesmos depois de Brokenback Mountain. Preconceitos à parte, levámos toda a vida a construir a imagem do puro e duro e de repente..., afinal o mito era puro e macio.

jugioli disse...

Filmes de caubóis não fazem muito a minha terrível cabeça feminina, mas gosto muito de Ed Harris, e talvez, talvez assista por isso, eu andei vendo o Segredo de Beethoven, com ele, além do excelente Pollock, e sobre sua atuação em Beethoven é algo de se admirar. Alem do contéudo desta vida músical que para nós artistas é preciso sentir e entender.

Ah! falei muito, e vim também dizer que ontem li um artigo no livro de Clarice Lispector, outra que eu não largo da cabeçeira, e lembrei-me sobre suas indagações sobre o ensino, e resolvi postar.
Eu considero como algo que temos que refletir.

bjs.

@dis-cursos

Silvares disse...

Não encaro Brokeback Mountain como um filme de cowboys. Aliás, esses boys não guardam cows mas sim sheeps. São mais sheepboys que cowboys o que talvez explique a sua tendência para uma certa "fofura". Não tem índios, nem assaltos à diligência, nem nada dessas coisas que fazem parte do género. Sinceramente, não me destruiu o mito do cowboy (sempre achei o Marlboro man um bocado afanchonado) porque não vi naqueles rapazes nem um bocadinho de cowboy.

Ju, não conheço esse Segredo de Beethoven de que fala. Já li e comentei o texto de que fala. A Alice Salles é também uma admiradora incondicional de Lispector.

Beto Canales disse...

Eu tenho uma predileção pelo gênero.

Gosto muito.

MUMIA disse...

no filme Pollock o Ed HARRIS tem um desempenho excelente...gostei bastante.

encarnou o personagem COMPLETAMENTE.

RICARDO BLAUTH disse...

alo SILVARES

CINÉFILO DESDE CRIANÇA
SOBRE FILMES
TENHO MEUS PRÓPRIOS JULGAMENTOS

SOBRE ED HARRIS
EXCELENTE ATOR
ACOMPANHO TODOS SEUS FILMES
CERTAMENTE ESTE
NÃO SERÁ EXCEÇÃO

ABRS

Silvares disse...

Beto, ainda hoje fui buscar Pale Rider (O Justiceiro Solitário aqui em Portugal) de e com Clint Eastwood, realizado em 1985, para ver com a minha filha em DVD. Ela é fã de Eastwood e diz-me que todos os homens devem sonhar ser como ele quando forem velhos... ai, ai, ai, tenho de ir treinando um olhar mais "matador"!
:-)

Mumia, em Appaloosa encarna o Virgil Cole. Só não sabemos se é completamente por este ser uma personagem de ficção e o outro (o Jackson) ser uma personagem real.

Ricardo, estou de acordo consigo, Harris é capaz de vestir qualquer pele que lhe sirva e dar-se bem com ela. É um ACTOR, sim, sem dúvida.

luzdeluma disse...

Parece um retorno aos filmes Spaghetti. E pensei que fosse Clint Eastwood quando olhei a imagem. Boa semana!!

Caçador disse...

Descobri uma palavra nova: afanchonado, só não sei o que significa.

roserouge disse...

"Afantochado" vem de fantoche. Eu AMO Ed Harris. E também está brilhante no filme "As Horas" e em todos os que entra. Apetece pegar nele, trazer para casa e fazer-lhe uma...hããã...sopinha de legumes, pronto. Vocês, também...

Alice Salles disse...

é...
Não sou ligada aos westerns, mas sinto que por alguma razão devo ver esse filme, e depois de ler sua crítica é o que vou fazer!

ricardo blauth disse...

alo SILVARES

VI O FILME
CONFORME COMENTEI ACIMA

É TUDO AQUILO QUE COMENTASTE
FILME NA ACEPÇÃO DA PALAVRA
POUCOS DIÁLOGOS
AÇÃO LENTA QUANDO NECESSÁRIO
CHEIO DE SIMBOLISMOS
PRA QUEM JÁ VIU MUITOS DO GENERO

NÃO É "OS INTOCÁVEIS"
MAS ANDA ALI.....PERTINHO

VALE VER
PARA QUEM GOSTA DE CINEMA
E DESTE GENERO

OBRIGADO PELA DICA

RICARDOgaropabaBLAUTH

Isabel Magalhães disse...

O Ed Harris/Pollock é um filme que revejo sempre com imenso prazer.

Vou tentar não perder o 'Appaloosa'.


[]

I.