quarta-feira, outubro 01, 2008

O sentido da vida


Ao ler a crítica de Jorge Lourenço Figueira ao mais recente espectáculo da Seiva Trupe (Estados eróticos imediatos de Soren Kierkgaard, de Agustina Bessa-Luís com encenação de Roberto Merino , ver também aqui com vídeo e notícia do Cartaz da SIC), estreado no Teatro do Campo Alegre, no Porto, deparei com uma ideia que me pareceu muito interessante.

"Anne Bogart e Tina Landau, num manual de metedologia teatral (The Viewpoints Notebook) dão exemplos de como se foi alterando, ao longo da história do teatro ocidental, o destinatário principal das palavras dos actores. Nos anfiteatros de Roma e da Grécia Antiga, o actor dirigia-se aos deuses, representados em estátuas colocadas acima e atrás da assistência; durante o Renascimento, falavam para a corte, sentada nos lugares centrais do primeiro balcão; no século XIX, para a plateia, dando origem às formas populares do melodrama e do vaudeville; com o advento do naturalismo, e as peças de Ibsen e Tchekhov, os actores passaram a falar uns com os outros, como se houvesse uma quarta parede entre eles e o público; finalmente, com Beckett, a relação do actor é com o Nada. O foco da representação passou do cósmico, pelo humano, para o existencial. Este espectáculo é um um exemplo dessa mudança que culmina no olhar para o vazio (...)"

retirado do jornal Público, suplemento diário P2, em 30 de Setembro de 2008, página 11

A forma como o destinatário das acções desenvolvidas em palco se vai deslocando das divindades para os poderosos, até se centrar no espectador, independentemente da sua origem ou classe social, mostra também a maneira como o espaço intelectual se foi democratizando ao longo dos séculos na nossa sociedade.

O objecto artístico (neste caso o teatro mas poderemos considerar diferentes formas e técnicas de expressão) vai perdendo o carácter reverencial e celebratório das forças dominantes da sociedade (os deuses, os soberanos) para se centrar na reflexão da existência dos seres humanos, por mais simples e aparentemente insignificantes que eles sejam ou possam parecer.

Esta atitude parece-me ser fundamental em todo o pensamento artístico e seria importante que estivesse presente em todo o acto criativo. A Humanidade é a razão da nossa existência e o Humanismo uma forma mais justa de arquitectar a coisa social.

Foi com Tchekhov que aprendi que o sentido da vida é construirmos uma sociedade mais justa para as gerações futuras mesmo que saibamos que nunca vamos usufruir dessa justiça durante o nosso tempo de vida. Não me recordo exactamente das palavras, lembro-me que recebi essa ideia enquanto assistia à peça "As Três Irmãs", pela Companhia de teatro de Almada com encenação de Rogério de Carvalho. Desde esse dia que a ideia não pára de dançar dentro da minha cabeça.

15 comentários:

Eduardo P L disse...

Grande postagem. Boa idéia da peça!Reflete exatamente toda a evolução do teatro, que ao contrário das previsões mais pessimistas se renova e enfrenta as novas mídias de forma inteligente e cativante!

Beto Canales disse...

Muito bom, como sempre!

Silvares disse...

Eduardo, o teatro é uma arte incomparável. Já estive por dentro, agora ando muito afastado mas sinto uma espécie de saudade. Além do mais, o teatro permite a fusão de linguagens diversas num único objecto e tem uma capacidade comunicativa indefinível.

Beto, obrigadinho.
:-)

Eduardo P L disse...

No tempo de colégio, e la se vão 50 anos....eu tentei fazer Teatro. O diretor era um importante ator de teatro, e foi logo me aconselhando procurar outras artes...
O teste que aplicou nos meninos para escolha dos atores, foi pedir que representassem um ancião. Depois do meu desempenho, certo de estar transmitindo um personarem de 90 anos, o Diretor me perguntou:
-Eu disse um ancião, e não James Dean....
Fui fazer jornal da escola, fotofrafia e é dessa data a primeira tela a óleo!( Um desastre, por sinal)

disse...

Caro Silvares,
sempre saio daqui "mais culta".Que maravilha aprender tudo isto sobre teatro...nos dá outra perspectiva de como assistir uma peça sabendo melhor onde a situar "no tempo e técnica"...Sem dúvida um dos maiores sentidos da vida, uma igualdade maior em todos os sentidos.
Como sempre sua clareza de texto e escolha de tema (não querendo,eu cair em lugar comum)...imperdíveis !

peri s.c. disse...

Reverenciamos, cada um à seu critério ( daí grandes discussões ) determinados "objetos artísticos", como você denomina.
Mas essa "reverência" vem exatamente do fato que essas artes de alguma maneira atingiram nosso centro pessoal de reflexão, por variadas razões.
Se chegam a tocar o ponto da reflexão da existência, o artista, mesmo que inconscientemente, atingiu o sublime das artes.


Como sempre, belo texto, parabéns.

roserouge disse...

James Dean, Eduardo? Mas que grande elogio! Perdeu-se um actor, mas ganhou-se um excelente, pintor, artista plástico e fotógrafo! Para além de blogueiro! Cada um é para o que nasce!

luís miranda disse...

Há algo no teu texto que não me soa. O que é essa coisa de construirmos uma sociedade mais justa para as gerações futuras? Não percebo essa ideia do espírito de sacrifício, quase cristão (ou mesmo cristão, o de dar a outra face, no seu sentido literal) como modo de encarar a vida. Penso que devemos tentar construir o nosso mundo na perspectiva da nossa felicidade. É o melhor que podemos deixar às gerações futuras. Porque agimos com um propósito, com um envolvimento racional e emocional crítico e também apaixonado, que, a ser levado com a possível coerência vai fazendo emergir valores, ideias e perspectivas, com as quais podemos "contaminar" as gerações futuras. As quais podem então pegar no "nosso trabalho" e prosseguir na construção do seu próprio mundo, com liberdade, segundo a sua própria perspectiva.

Desculpa lá Rui, mas ao ler o que escreveste imaginei de imediato aquela gente que desiste da sua vida para proteger, assegurar, empurrar um futuro que se "materializará" nos filhos e que frequentemente tenta fazer com que os filhos realizem e construam o que eles não foram capazes de construir porque que não tentaram "transformar a realidade" (passe o chavão). Isto não é a perspectiva do "último que feche a porta", porque aí não se está a construir nada, mas a usufruir manhosamente do que alguém para trás já tinha feito.

Bom, mas estás perdoado se rezares o terço ainda esta noite.

Silvares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvares disse...

Eduardo, essa é forte! Um ancião que dá em James Dean... eheheheh, muito forte mesmo.
:-)

Ví, obrigado, mais uma vez, pelas suas palavras. Na verdade, aquela sequência de ideias sobre os diferentes destinatários do discurso teatral é, só por si, muito completa. O resto é deixar o espírito a vogar um pouco.
:-)

Peri, estou de acordo com o seu comentário. Nas artes contemporâneas nem sempre o artista se interessa em reflectir sobre questões globais ficando-se, talvez demasiadas vezes, pela contemplação do próprio umbigo.

Roserouge, alguns nascem para ser como cada um... isto não faz grande sentido, pois não?

Miranda, se porventura construirmos uma sociedade baseada em princípios que consideramos justos já estamos a trabalhar numa sociedade melhor para os que vierem depois de nós. Não vejo que isto seja espírito de sacrifício cristão mas, caso seja, não há que ter medo dele. O Humanismo e o Cristianismo são parentes e não tão distantes como podem parecer. Também está longe da minha intenção aquela manhosice toda que descreves a seguir. Aquilo de que falo não pode conviver com manhosices nem espertezas saloias, é o seu oposto. O que me parece ser justo para a vida que vivemos é vivê-la com perspectiva de futuro e isso passa por estabelecer uma sociedade mais completa e menos complexa, respeitar o espaço que habitamos e não o degradarmos só porque isso nos poderá dar algum prazer momentâneo, apesar de trazer merduncha em tempos futuros. Ai é? Quero lá saber! Quando esta merda estoirar já cá não estou. Quero que se lixe. Pode ser assim, mas isto não presta. Se combater este estado de espírito faz de nós ovelhinhas cristãs... então só posso dizer-te: mééééééé. E ainda sou capaz de rezar um terço zumbido (não sei a letra e lembro-me mal da música:-)

expressodalinha disse...

Nobre propósito. Infelizmente nem toda a gente leu Tchehhov!

Silvares disse...

Jorge, os grandes escritores russos do século XIX têm aquele "não-sei-quê"...

expressodalinha disse...

Sem dúvida. Embora(e não tem nada a ver com isto) o meu russo preferido é Bulgakov e o seu alucinante "Margarita e o Mestre". Já o li mais de 8 vezes. Um dia vou falar dee e da vida do escritor.

Silvares disse...

Nunca li Bulgakov. Penso que há adaptações teatrais desse romance, ams não li. Sou um fraco leitor. Demoro muito tempo a virar uma página, leio lentamente. Mas essa é uma das razões que me faz admirar os russos.

Ashera disse...

Sou estou perdendo uma coisa importantissima : NÃO PODER ASSISTIR!
Sou uma estudiosa de Soren Kierkegaard, conheço toda a obra dele , biografia e embora muitas questões gostaria de lhe ter colocado,,, sou fã incondicional!
O teu site é uma delicia
Obrigada
Mais beijos