quarta-feira, agosto 06, 2008

Leonel Moura no Brasil

Leonel Moura em acção de divulgação dos seus famosos "formigões" pintores


Recebi via e-mail a informação de que Leonel Moura levou até ao Brasil os seus famosos robôs pintores também conhecidos por RAP. Nesse e-mail é fornecida a entrada para uma excelente peça jornalística na revista BRAVO!(ler aqui) que recomendo vivamente a quem se interessa pelo fenómeno da criação artísitca.

Nesse texto, escrito de forma muito eficaz e desenvolta, os RAP são apelidados de formigas ou formigões e Leonel Moura é citado em jeito de entrevista, expondo o essencial dos seus pontos de vista que continuam a gerar alguma polémica. A mensagem de Moura vai passando e ganhando consistência. A discussão sobre a natureza artística ou não dos objectos fabricados pelos RAP é muito interessante. Talvez até seja mais interessante a discussão do que os ditos objectos.

Há ainda um texto escrito por Leonel Moura (ler aqui) que pode ajudar a clarificar algumas questões que tenham ficado menos nítidas ao longo do texto-entrevista.

Este tema já foi abordado por mais de uma vez aqui no 100 Cabeças, o link para o Leonel Moura ARTe está aí ao lado na lista permanente deste Blogue. Embora não consiga concordar a 100% com Moura tenho uma profunda curiosidade em reflectir sobre a questão e ver até onde me (nos) pode levar essa reflexão.

Leonel Moura assume-se como um artista conceptual e afirma que a sua obra são os robôs e não os trabalhos por eles realizados. Esses serão da exclusiva "responsabilidade" criativa dos RAP e, diz o criador desses seres artificiais, constituem o paradigma de uma novíssima forma de produção de objectos de arte. Discutível mas apaixonante.

Na Idade Média os pintores e escultores também se consideravam meros veículos da vontade e inspiração divinas. Seriam uma espécie de pincéis manuseados pelo mistério da acção demiúrgica de uma divindade suprema. Daí que muitos deles não assinassem as suas obras.Mas os RAP assinam. É nesse momento que decidem dar as suas obras por terminadas.


8 comentários:

Só- Poesias e outros itens disse...

Silvares,
pertinente observações. Tenho muitas dúvidas sobre o tema de como distinguir à arte dita contemporânea. Quem faz o quê em obras de arte?
Se Não é o artista que produz? quem o faz?

bjs.

JU gioli

Jo-zéi F. disse...

Sr.Leonel artista natural de BEJA.

Alguém desenhou e programou os robots pintores, não cairam do céu.

Silvares disse...

Ju, alguma coisa produz a arte. Alguma coisa que produz uma acção determinada. Neste caso serão os robôs. Segundo Leonel Moura eles agem de forma autónoma e tomam decisões, na medida em que um ser mecânico são capazes de as tomar. Enfim, a arte será produzida pelos robôs pois eles agem autonomamente. É uma ideia que tem muito para dar.

Jo-Zéi, quem nos programa a nós? Também não caímos do céu, apesar da história da cegonha que traz os bébés de Paris.

jo-zéi disse...

uma autonomia muito pouco autónoma.

---Ao fim e ao cabo a pintura do Tiepolo é uma cópia e o sr. Berlusconi não podia dar as suas conferências de imprensa com as maminhas por trás da cabeça.
QUE VERGONHA!!!

Silvares disse...

Pois, ao menos ficamos a saber que não iam mutilar um original só por uma questão de maocas. Podemos dormir mais descansados.

Quanto à questão da autonomia dos RAP, Leonel Moura garante que é total em termos decisão das cores a usar, dos trajectos a seguir, enfim, tenta-se proporcionar o máximo de liberdade criativa aos robôs. Lê os textos dele, faz uma visita às suas páginas na NET, vais ver que encontras material interessante.

jo-zéi disse...

há uns meses que recebo mails com o percurso artístico/turístico dos robots.
Tb tem uma galeria em lisboa, como deves saber.

Silvares disse...

Yep. A actividade de divulgação desta ideia é bastante intensa e eficaz. O leonel Moura está apostado em levar a sua mensagem tão longe quanto for capaz.

Francine Esqueda disse...

Olá! Quanto tempo...
Resolvi bisbilhotar seu blog!
Adorei as novidades que vi!
Beijos e bom fim de semana!