quinta-feira, agosto 28, 2008

Arte & Alta Finança

ver aqui uma interessante sequência de fotos que mostra como Hirst produziu este "For The Love Of God"


No passado dia 3 de Agosto coloquei este post sobre o leilão de obras de Damien Hirst, a realizar na muito respeitável Sotheby's nos próximos dias 15 e 16 de Setembro.
Este acontecimento é aguardado com muita expectativa pela originalidade de um artista que "salta" sobre as galerias para colocar o seu trabalho no mercado.


Hoje li um artigo no Público que relata a (discutível?) descoberta de uma colaboradora do Art Newspaper, Cristina Ruiz. A jornalista chegou à conclusão que a inédita atitude de Hirst estará relacionada com o facto de ele ter, amontoadas, aproximadamente 200 obras que a sua galeria de Londres, a White Cube, não conseguiu vender ao longo dos últimos 6 anos.


Ainda segundo Cristina Ruiz, a verdadeira questão prende-se com a produção desenfreada de trabalhos assinados pelo artista que saem de uma espécie de fábrica que conta com 100 colaboradores, espalhados por vários ateliers. As séries de spin paintings e butterfly paintings, etc., parecem não ter fim à vista e o mercado estará saturado de tanta obra... sobrinha da obra prima.


O boss da White Cube já veio desmentir esta história (ler aqui) afirmando que o apetite do mercado pelas obras de Hirst é tanto que nunca tem obras suficientes para o satisfazer. Seja como for, a promoção do leilão está em andamento e abre já hoje no Hotel Oberoi, em Nova Deli, uma exposição de trabalhos do artista a que apenas terão acesso visitantes escolhidos a dedo entre os mais ricaços daquelas bandas.


Esta aventura mostra-nos como existe uma dimensão especial no mundo da arte onde apenas se movem seres extraordinários. Os que produzem objectos cotados a preços astronómicos e os que têm capacidade económica para os adquirir. Um outro universo, com o seu panteão de divindades próprio e exclusivo. De momento Hirst é um dos deuses mais brilhantes desta constelação de estrelas mais ou menos conhecidas do pessoalzinho que se move cá em baixo.


Isto já ultrapassa as vagas e complicadas noções de Arte que tentamos estabelecer nas nossas cabeças vagamente românticas no que diz respeito a este assunto. "Beautyful Inside My Head Forever", o leilão-acontecimento do ano, entra como um meteoro no mundo da alta finança.

6 comentários:

peri s.c. disse...

O rapaz faz artes mais rápido do que fazemos posts. E ainda ganha muito bem com isso. Interessante.

roserouge disse...

Bom, também com mais de 100 pessoas a trabalhar para ele...ora assim também eu. Mas que ele é muito bom, ai lá isso é!

Eduardo P L disse...

Oportuníssima postagem!
Ele tem méritos, sim!
Depois que se coloca o OVO de pé....

Silvares disse...

Peri, se ganhássemos dinheiro com os posts talvez postássemos mais um pouco!
:-)

Roseruge, sempre foi assim! Os grandes mestres do Renascimento, por exemplo, lideravam uma oficina e angariavam trabalho. Os aprendizes faziam a maior parte das despesas e os mestres assinvam o trabalho (além de executarem as "partes nobres" da coisa). Nada de novo.

Eduardo, o mundo das artes é muito vasto e tem mais ovos em pé que galinhas poedeiras!
:D

MUMIA disse...

tem Génio para criar/inventar e tb para negociar.
Junta o útil(?) ao agradável($$$).

Silvares disse...

Um homem de sucesso!