terça-feira, junho 24, 2008

Fado


Agora que o futebol nos deixou meio zonzos, sem sabermos quem apoiar no Euro 2008, vem o Eurobarómetro revelar que somos o povo mais pessimista dos 27 que compõem a União Europeia.

Não confiamos no Futuro da mesma forma que desconfiamos do Passado. O Português sente-se como salsicha lambusada em mostarda e metida num cachorro-quente para algum estranja comer, numa tarde de fastio.

Desconfiamos das possibilidades de emprego, não acreditamos que a situação económica vá melhorar e choramos como Madalenas arrependidas aos primeiros acordes de Ó Povo da Minha Terra, largados pela fadista-máxima dos tempos que correm, essa estrondosa Mariza, que Deus a guarde.

Estamos tão em baixo, com a moral tão rôta, que só nos apetece fingir que somos espanhóis ou marroquinos ou o que quer que seja. Nem o Cristiano Ronaldo foi capaz de nos levantar a coisa!

O mais estranho da sondagem que nos revela agora esta face suja e escurecida no espelho da opinião pública é que, há um ano atrás, o pessoal andava bem mais entusiasmado com as possibilidades de vir a ter uma vidinha com menos faduncho , mais luminosa e, até, satisfatória. Os dados são esclarecedores: não sonhávamos sequer com a merda que agora nos borra as botas!

Somos assim, a dar um bocadinho para o histérico. Ora andamos eufóricos com quase nada, ora caímos em depressão profunda por coisa nenhuma. Luas!

Se não tivéssemos perdido aquele jogo com a Alemanha por 3-2 como seria? Vai na volta acreditávamos que o desemprego estaria a modos que a diminuir.

E se chegássemos à final? Seríamos capazes de jurar que o nosso Pequeno Sócrates é um estadista de elição que nos vais tirar do buraco.

E se tivessemos sido campeões da Europa? Não sei. Talvez a Nossa Senhora voltasse a aparecer por aí para nos dar os parabéns e aproveitar a oportunidade de ter boa publicidade.

Mas não. Nada! Perdemos. Ainda por cima com os alemães, que devem estar bem melhor classificados do que nós até nessa coisa do Optimismo/Pessimismo da União. Esse gajos têm tudo para ser felizes. Até loiros são. E altos e com olhos azuis! Nós népias. Morenotes, baixitos e de olho escuro. Nada a fazer que não seja aceitar este fado.