terça-feira, janeiro 27, 2009

Mondrian vai ter de esperar


"A arte, por ser um mero artifício, necessário apenas porque falta beleza nesta vida, vai desaparecer à medida que a vida ganhe beleza (...) Hoje em dia a arte é da maior importância porque há que demonstrar plasticamente, isto é, de uma maneira directa e livre da nossa concepção individual, as leis que fazem surgir a vida verdadeiramente humana." Estas palavras, atribuídas a Piet Mondrian, configuram uma das maiores utopias da modernidade. A utopia de que a humanidade haverá de encontrar, no seu percurso em direcção a Não-Sei-Quê, uma forma de manifestação colectiva absoluta e ideal. A ser assim, a arte e a vida, um dia, serão uma e a mesma coisa. A própria vida, materializada na construção da coisa social, será uma manifestação artística, uma realização total de beleza, caracterizada pelos atributos clássicos daquilo que é belo: equilíbrio, simetria... harmonia. Ética sinónimo de estética? Lindo!

Ontem, ao ler uma reportagem sobre o rescaldo da guerra em Gaza, deparei com o seguinte pedaço de texto, da autoria de Alexandra Lucas Coelho: "O Parlamento de Gaza fica no meio da cidade. Quem estaciona o carro nas traseiras pensa que já não há Parlamento, tal a destruição. (...) Por exemplo, o hemiciclo podia ser uma instalação de arte contemporânea, com os retratos dos deputados ainda emoldurados em cima das mesas, cobertas de areia e cacos, enquanto emaranhados de metal e tubos pendem do tecto, semiderrubado."

No início do século XX a reflexão sobre arte ainda permitia imaginar um mundo belo, limpo, recticulado, equilibrado.; harmonioso. Cem anos volvidos, nós, os que vivemos o início do século XXI, temos da arte e do seu significado um entendimento substancialmente diverso daquele que enformou as utopias modernistas. Para nós os atributos da beleza clássica (quase) deixaram de fazer sentido. Habituados a viver num mundo de excessos e contrastes violentos, já não nos comovemos tanto com a simplicidade abstracta do geometrismo neoplástico de Mondrian. Estamos mais inclinados para linguagens violentamente românticas como a de Bacon, por exemplo. Uma vez que interiozámos os conceitos contemporâneos herdados dos ready-mades de Marcel Duchamp, podemos ver na sala semi-destruída do Parlamento de Gaza uma imagem de contornos artísticos pós-modernos. Vemos na sua ruína o resultado da aplicação de "leis que fazem surgir a vida verdadeiramente humana" tal como a entendemos nos tempos que correm. Essa lei já não tem (nem aspira a) nada de equilibrado ou simetricamente harmonioso. A lei que caracteriza a vida verdadeiramente humana nos tempos que correm é a da brutalidade assimétrica, da desarmonia cultural e do desiquilibrio de forças entre os ricos e os pobres, entre os que se autoproclamam filhos de deus e aqueles que sabemos que não passam de meros filhos-da-puta.

Vivemos dias complicados, tempos de desacerto e desilusão. A utopia modernista afunda-se cada vez mais na massa viscosa da pós-modernidade. As rectas perfeitas de Mondrian e os seus campos de cores primárias absolutamente contidas quebram-se para abrirem caminho à poesia caótica escrita à força dos mísseis e rende-se à musicalidade tenebrosa das metralhadoras e das pás dos helicópetros que pairam na paisagem como agoirentas aves, anunciadoras da proximidade da morte.

Mondrian vai ter de continuar à espera. Para sempre?

8 comentários:

João Samões disse...

pareçe que o sr Bacon vai ter honras de retrospectiva no Prado em Madrid em Fevereiro

Silvares disse...

Olá João. Sim, já li qualquer a esse respeito. A exposição que esteve aqui há uns anos em Serralves foi espectacular. Bacon é sempre um espectáculo!

Eduardo P.L disse...

Mondrian, estava "errado". Bacon acertou!
Ótimo e oportuna reflexão!

peri s.c. disse...

Excelente postagem. Reflexões extremamente pertinentes.

disse...

Caro Silvares vir aqui é sempre uma inspiração!
A pertinência e inteligência de seu texto é para poucos !Leio e releio...que prazer!

imelda disse...

Se á luz comparativa e inspiradora dos "seus" pintores consegue escrever tão desassombradamente sobre esta
"brutalidade assimétrica" da nossa civilização actual, então .."benditos" sejam eles.

Também eu não sei quem empurrou a porta do medo e criou esta civilização com o vício da decomposição, do cheiro fétido a "coisa" morta ...para depois se inventarem os mortos com roupagens á medida da nossa saudade desilusão e culpa.
Se essa força maligna é genéticamente herdada ou aleivosamemte arquitectada para nos levar á destruição redentora ou transcêndente?
Excelente reflexão e obrigado por tão generosamente a partilhar.
É apaziguadora, para alguns que como eu, temos que enfrentar os olhos baços de doentes sem esperança e o nó na garganta cresce, cresce, cresce...sem nos habituarmos á trivialidade assimétrica e nefasta dos dias hoje.
Obrigado!

Beto Canales disse...

Aulas, como sempre, professor.

Silvares disse...

Eduardo, podemos sempre imaginar que Mondrian representou o mundo como ele é. Simples e organizado.

Peri, Ví, obrigado pelas vossas observações.

Imelda, não há que desanimar. Podemos sempre tentar dar uma mãozinha ao velho Mondrian!
:-)

Beto, não encaro isto como aulas. Mas há quem diga que eu não consigo largar a pele de professor... se calhar é isso mesmo.