terça-feira, agosto 28, 2007

O milagre

Olhando para os preços dos manuais escolares e as quantias que é necessário investir neste início de ano lectivo fica-se de boca aberta. Segundo notícia do Público o custo total dos manuais para um aluno do 7º ano de escolaridade obrigatória pode chegar aos 192 euros.
Teoricamente o ensino obrigatório é gratuito mas perante valores deste calibre bem vemos que não passa mesmo de teoria. Além dos manuais há toda a restante parafrenália de materiaizinhos para o menino e para a menina e aí vão mais umas notas valentes pelo cano abaixo. Isto é muito caro. Quase pornográfico de tão agressivamente horroroso!!!
Se pensarmos nas médias de ordenados que os pais das criançolas auferem e nos lembrarmos que ainda há rendas de casa, contas de bens essenciais, alimentação, etc., facilmente percebemos que o regresso de férias é um pesadelo a todos os níveis. Como conseguem as famílias portuguesas equilibrar os seus orçamentos?
Mas há mais. Com os juros dos empréstimos bancários que não param quietos e teimam em subir, com os ordenados que não sobem, como é possível sobreviver nesta selva consumista? Pagamos a gasolina caríssima, os preços das telecomunicações começaram finalmente a descer mas foram, durante os anos de monopólio da PT, dos mais caros da Europa. Os bens de consumo essenciais não parecem estar ao alcance da maioria da população.
Neste panorama não é de admirar que os teatros estejam às moscas e os bens culturais, de um modo geral, sejam coisa para as elites que por eles se interessem. Tudo fica cada dia mais caro e os ordenados estagnam em valores quase ridículos!
Pensando nisto não é fácil perceber como conseguem as famílias portuguesas viver com a dignidade que pensamos que merecem. A menos que haja por aí algum milagre.

4 comentários:

Eduardo P.L. disse...

...e quem acredita em milagres??

Silvares disse...

Olhando para a forma como Portugal se vai mantendo começo a pensar que talvez haja milagres mesmo!
:-)

Guida disse...

Posso acrescentar que, além disto,não é permitido que nas escolas públicas - onde se processa o tal ensino básico gratuito e se ensinam os principios de cidadania - não é permitido que se organize e dinamize a prática da entrega e troca de manuais já não utilizados. Acho que é porque isso belisca os interesses de alguem...

Silvares disse...

Com exemplos desses estamos a contribuir para a formação de cidadãos bem apetrechados para o mundo merdoso que lhes colocamos à disposição. Consumismo e desperdício são regras básicas que é preciso valorizar desde logo nos banquinhos da escola.