sábado, março 05, 2011

O mundo (afinal) não está assim tão perdido!


A história conta-se rapidamente. No Sábado passado fui a Torres Novas ver o concerto de John Cale. Foi no Teatro Virgínia, local que nunca antes na vida tinha visitado. Comprara 2 bilhetes via INTERNET mas a minha acompanhante não chegou a tempo de viajarmos juntos para Torres. Acabei por ir sozinho.

Quando levantei os bilhetes expliquei a situação à menina da bilheteira. Ela informou-me que, estando a lotação da sala esgotada, havia pessoas interessadas na aquisição do que me sobrava. Deixei o bilhete e o meu número de telemóvel e lá fui assistir à função.

John Cale entrou em palco coxeando da perna direita mas isso não o impediu de deslumbrar. Ele e os 3 músicos extrordinários que o acompanharam. Ninguém se sentou no lugar ao meu lado e, afinal, havia mais algmas cadeiras vazias.As previsões de enchente pareciam não se confirmar.

Quando o concerto terminou dirigi-me à bilheteira para confirmar a não-venda do meu bilhete. Não estava ninguém, havia muita gente a descomprimir das emoções musicais e eu, como tinha a viagem de regresso para fazer, resolvi não esperar pela menina dos bilhetes e vim-me embora.

Passados alguns dias recebi uma chamada no telemóvel. Era da bilheteira do Teatro Virgínia. Disse-me a voz no meu ouvido que o meu bilhete havia sido vendido e que tinham os "meus" 10 euros. Como podia isso ter acontecido? Perguntei; se ninguém se tinha sentado ao meu lado e ainda se viam mais cadeiras vazias... que algumas pessoas haviam preferido ficar em pé, junto à entrada, pessoas com pernas de dançarino e que o comprador do meu bilhete decerto seria um desses.

A senhora que me falava ao ouvido propôs-se enviar-me a nota pelo correio. Combinámos que a informaria da minha morada por e-mail. Assim se fez. Na 4ª feira recebi um envelope tendo como remetente a Drª Telma Martinho, do Teatro Virgínia, no Largo José Lopes dos Santos, em Torres Vedras. Lá dentro, a nota mágica de 10 euros, embrulhada num papel (para disfarçar), a nota que me fez perceber que, afinal, o mundo não está tão perdido quanto isso.

Por vezes digo a mim próprio que por cada sacana há 50 pessoas honestas. Nunca fui bom em estatística, trata-se apenas de um feeling. Obrigado, Drª Telma, obrigado Teatro Virgínia, por me ajudarem a acreditar que algumas ideias que parecem parvas não o são. Pelo menos completamente.

4 comentários:

Marina Ruiz disse...

Isso é extraordinário. Em tantos concertos que já fui ver em espaços grandes ou pequenos o lema é sempre o mesmo. Se já se comprou o bilhete não há volta a dar, aconteça o que acontecer. Devolverem-lhe o dinheiro por correio sem qualquer preocupação e encargo é de louvar. Muitos haveriam de aprender esse mesmo sistema.

Silvares disse...

Pois é Marina, há mais coisas no mundo do que aquelas que podemos imaginar. Não é? Foi o velho William (o Shakespeare) que escreveu qualquer coisa como isto: "Há mais coisas entre o céu e a terra que a tua vã filosofia é capaz de imaginar", estou a citar de cor e de memória.

the dear Zé disse...

fantástico moço.
e olha, sabes que mais? no dia anterior fui ver o(s) mesmo(s) senhor(es) a Torres Vedras

Silvares disse...

E que tal?