domingo, março 13, 2011

Nas costas do cão


Coisas como aquela que aconteceu no Japão deixam-me desarmado. Não tenho palavras, não consigo pensar em nada de jeito. Sinto-me como uma pulga que vive nas costas de um cão que está a dormir e que. de vez em quando, se coça ou estremece.
No Verão passado estive no Japão e saí de lá embevecido com tudo o que por lá vi e por lá vivi.
Se deus existe...

O filho da puta do cão está com insónias.

Madoka, você está aí?

8 comentários:

Anónimo disse...

querido rui,
obrigada pelo carinho. essas fotos são de doer a nossa alma. bravo povo japonês, num país "inviável" faz deste país ser o que é.
Estamos todos bem, na cidade onde moramos foi fraco os tremores, me dói no fundo mesmo às tragédias. Eu achei que estava com tonturas! fui pra fora, os filhos jogando bola, perguntei se estavam todos bem, e ninguém sentiu nada, e seguiram na maior tranquilidade. E assim tem que ser, bola pra frente.
estou triste hoje, muito.
forte abraço
madoka

expressodalinha disse...

Sorte para a Madoka. Uma cena terrível. Somos menos que pulgas.

Silvares disse...

Madoka, folgo em ouvi-la proferir palavras de confiança, apesar da tristeza. O que tenho visto na TV e lido nos jornais sobre a reacção dos japoneses a mais tremenda tragédia é espantoso. Se impressionado fiquei com a sua gentileza e corracção absoluta quando aí estive, agora nem sei que dizer, são simplesmente admiráveis. Vá dando notícias. Obrigado.

Jorge, cena assustadora...

Beto Canales disse...

Sem palavras. E esperanças, tbm.

Luma Rosa disse...

Rui, sem palavras!! O povo japonês se sente unido e isto faz uma nação. Hoje foi entrevistada uma brasileira que mora no Japão e perguntaram se ela gostaria de voltar para o Brasil. Ela disse que a vida que ela quer para o filho dela está lá, onde existe respeito entre as pessoas. Beijus,

Anónimo disse...

rui,
dá só uma olhada numa série de fotos de satélite, deu no New York Times, o antes e o depois do tsunami. impressionante.
link: http://www.nytimes.com/interactive/2011/03/13/world/asia/satellite-photos-japan-before-and-after-tsunami.html?hp
impressionante são as pessoas, as reações, o comportamento, a esperança, os depoimentos de todos que vejo pela tv, e toda vez eu choro.
um colega de trabalho do meu marido pediu demissão ontem porque a familia toda foi junto com o desastre, eu solidarizo. ontem tivemos novos tremores, lá pelas 22hs. eu fiquei com medo e em alerta, dormi super mal.
beijão
madoka

rui sousa disse...

Estes momentos deviam ser aproveitados para pensarmos um pouco naquilo que queremos para as nossas vidas. O Japão é um país do primeiríssimo mundo, um exemplo a seguir para muitas pessoas para quem o desenvolvimento e o crescimento económico são o caminho para a prosperidade, a qualidade de vida e a felicidade. É de facto impressionante e terrível aquilo que os japoneses estão a passar, mas todos sabemos que por de trás da linha da frente do “progresso”existe uma linha negra silenciosa que um dia pode rebentar como aconteceu agora. E a questão é pertinente: vamos continuar dispostos a tudo para melhorarmos economicamente as nossas vidas? O Japão só é o que é por causa das quantidades brutais de energia que consome ( nuclear e petróleo, aliás como todos os países ricos do mundo ). Vale a pena continuar nesta linha? Esta não é uma pergunta para os políticos ( que todos nós achamos serem os causadores de todos os males )mas para as pessoas, para o cidadão comum. Não quero parecer demagógico nem idiota na maneira e no momento trágico em que estou a dizer isto nem estou aqui a fazer a apologia dos “pobres mas felizes”, mas parece-me que isto é um gritante sinal do tempo. Queremos uma sociedade desenvolvida economicamente como a do Japão ou não? Existem limites ou não? Esta perece-me uma pergunta pertinente, precisamente no momento em que toda a Europa mimada parece desabar em pânico colectivo só porque não perspectivamos continuar a ter aquilo que achamos que temos direito a ter … não importa às custas de quê.

Silvares disse...

Beto, enquanto há vida há esperança (diz o povão)...

Luma, acredito nisso também. Não há nada que iguale a sensação de sermos respeitados.

Madoka, a situação cresce em complicação. Ainda ontem fiquei de boca aberta com o imperador Akihito. Estranho e agradável personagem.

Rui, a questão coloca-se, de facto. Mas, neste caso, o mais impressionante é a nossa fragilidade perante as forças da Natureza. Não há consumo de energia que impeça um tsunami ou um furacão ou um tremor de terra de cumprir o seu papel.