terça-feira, maio 04, 2010

Tá-se


Algo está a funcionar ao contrário! Na escola ensina-se como é benéfica uma alimentação saudável, estuda-se a roda dos alimentos com sucessivas adaptações ao mundo contemporâneo e... cada vez se consome mais açúcar e junk food e os putos vão-se elefantizando a olhos vistos. A Europa é um planeta gordo, território para gente XXL.

Ne escola insiste-se na leitura dos clássicos. Camões, Fernando Pessoa, José Saramago, Sophia de Melo Breyner Andresen, citando apenas alguns dos autores portugueses mais massacrados. Resultado? Os putos mal sabem soletrar a palavra lei-tu-ra, lêem cada vez menos e escrevem aquelas mensagens de SMS e quejandos, cheias de kapas e abreviaturas abstrusas. O vocabulário aproxima-se perigosamente de um limite aceitável e está atolado em expressões pouco interessantes mas de suculenta sonoridade. Tipo: tipo, bué, iá, tá-se...

Dizem-nos que, além do Português, é com a Matemática que se completa a coluna vertebral de uma educação eficaz mas os putos ficam extasiados quando um professor faz uma conta de dividir no quadro. "O Stôr sabe fazer essas contas com casinha!" disse-me um aluno do 12º ano, a dias de entrar numa Faculdade qualquer, quando calculávamos as médias no final do ano passado.

Enfim, a lista segue por aí fora, como um rio de ignorância correndo furioso em direcção ao mar do conhecimento. Há qualquer coisa que não bate certo. O que a escola ensina parece ser o que os alunos conhecem pior. Conclui-se que a escola, de facto, não consegue ensinar o que pretende. Talvez ensine outras coisas que nem sequer suspeita que ensina. Ensinará? Os alunos talvez sejam os mais habilitados a responder a esta estranha questão mas, como sempre, não estão nem um pouco interessados. Muito menos me parecem preocupados.

Tá-se.

7 comentários:

Eduardo P.L disse...

Acalme-se Silvares, não é só na Europa essa infeliz situação dos jovens e do ensino! Aqui no Brasil ocorre o mesmo! É global, pelo visto! Como tudo, nos dias de hoje!

Chapa disse...

Se até o 1º comprou o diploma, está tudo dito. Para que serve estudar, se o chico-espertismo está mesmo ali, ao alcance da mão.

Anónimo disse...

É bem aquela sensação do professor do filme: Entre os Muros da Escola. Só lendo os clássicos como ex:Pierre Bourdieu para dar um alento!
abraço
madoka

peri s.c. disse...

Temos aqui um presidente que se orgulha de não ler jornais, nem enfadonhos livros, nem se dispôs a estudar quando teve possibilidades.
O mau exemplo chegou no topo da escala social.

Silvares disse...

Amigos, talvez tenha sido sempre assim. Talvez a ignorância faça parte do processo de crescimento da sociedade e seja motivo de doce alegria.

Eduardo P.L disse...

Silvares,

concordo com você! Foi sempre assim, e uma notícia auspiciosa: estamos melhorando. Já foi pior!

Tiago Alves disse...

O que mais me impressiona é chegar ao Ensino Superior e esse tipo de situações se perpetuar.

São raros os colegas da minha turma com os quais consigo ter uma conversa que vá para além de conversa de escola e isso, no Ensino Superior, a poucos anos de nos tornarmos gente com verdadeira responsabilidade, assusta-me.

"Ignorance is Bliss"