domingo, maio 30, 2010

Lixo


Os graffiters que emporcalham as paredes com tags têm razão quando perguntam porque ficam tão indignados os demais cidadãos perante o resultado dos seus devaneios individualistas.

A publicidade nas ruas é outro tipo de emporcalhamento visual mas não parece incomodar tanto o povinho. Placards, cartazes, panfletos, lixo!

Lembro-me vagamente de ser uma criança e de não compreender muito bem o significado da palavra poluição. Naquele tempo a sociedade de consumo era ainda uma miragem e Portugal um país demasiado pobre para produzir os milhões de toneladas de lixo que agora produz alegremente.

O significado da palavra poluição ganhou sentido quando, consultando um livro de Educação Visual, deparei com uma imagem (não recordo qual) que explicava o conceito de poluição visual. Assim era fácil de perceber.

A foto que ilustra este post foi tirada perto de minha casa. As árvores ainda disfarçam um pouco mas o lixo tudo conquista de forma triunfal. Vivemos envoltos numa pesada nuvem de poluição visual que nos intoxica o pensamento e nos deixa a alma maltratada.

Nem sempre nos apercebemos disso, mas a intoxicação é um facto.

8 comentários:

Beto Canales disse...

É uma tristeza. Para piorar, saiba que esse mal é globalizado.

Lina Faria disse...

Silvares,
aqui no Brasil já foi pior.
Há algumas multas agora. Mas, mesmo assim, as cidades começarão logo a ficar emporcalhadas. É ano eleitoral por aqui.

Eduardo P.L disse...

Em São Paulo, a prefeitura retirou, 100% dos out doors, o que deu uma NOVA cara à cidade. O que prova que ainda restam esperanças! É só querer!

peri s.c. disse...

Existem os grafiteiros - que embelezam a cidade e os ( que chamamos ) pichadores - que as enfeiam .
Estes últimos são um sinal da incontrolável deterioração do tecido social.

Rui Sousa disse...

No outro dia li ou ouvi ( já não sei bem onde ) que diariamente somos bombardiados com 12 mil anúncios ( rádio, televisão, jornais revistas, cartazes, etc, etc,.). No inicio achei meio exagerado, mas depois comecei a pensar melhor e até que a coisa começou a fazer sentido.... é obra.

Tiago Alves disse...

O grande problema deste tipo de publicidade, que nos invade completamente no espaço público, é a sua linearidade, sem engenho ou pensamento, cuja única mensagem é: "compra, compra, compra".

O graffiti invade-mos também, e há muita porcaria por aí, mas aqueles que são realmente bons, e não é assim tão difícil perceber quais são, têm muito mais valor que essa publicidade banal e vazia de sentido.

A única diferença entre o graffiti e a publicidade é que a segunda usa gravata e tem uma boa carteira no bolso, o graffiti é feito por ideologia e à margem de qualquer tipo de organização.
E nesta batalha entre ideologia e carteiras, já sabemos quem normalmente ganha.

expressodalinha disse...

COMO PROIBIR SE O EXEMPLO VEM DE CIMA?

Silvares disse...

Caríssimos, a nossa sociedade é uma incansável produtora de lixo. De todos os géneros. Produzimos tanto lixo que temos de viver com ele. Ou viver nele, tanto faz...