sábado, abril 24, 2010

Um Profeta


Na 4ª feira passada lá fui ver "Um Profeta", o filme vencedor do Grande Prémio do Júri no ultimo Festival de Cannes. Duro e frio como um muro de granito, conta a história de um rapaz árabe que se faz homem no ambiente pouco prometedor de um prisão francesa.

A fotografia tem uma luz dominante demasiado baça, a acentuar a ausência do brilho dos bons sentimentos que atravessa toda a narrativa.

Malik, a personagem central, não chegou a conquistar-me. Observei-o sempre com um certo afastamento, como (imagino) um cientista observa o comportamento de uma cobaia durante uma experiência de rotina. Levei o filme todo a pensar "onde é que esta merda vai parar?", incapaz de me identificar com quem quer que fosse naquela galeria de cromos atirados para os confins da colecção da espécie humana.

O filme é eficaz. O argumento é convincente e os actores, principalmente Tahar Rahim no papel de Malik, resolvem com excelência a representação das personagens. Falado em francês, árabe e corso (que me pareceu uma mistela de francês com italiano) "Um Profeta", apesar de longo, nunca ameaça enfastiar o espectador. Um filme a ver, não digo que com prazer, mas a ver... com curiosidade. Pelo menos. Muito bom, caraças.

6 comentários:

Beto Canales disse...

Mais um pra lista

Eduardo P.L disse...

Gosto da abertura que sempre deixa em suas precisas resenhas!

Caçador disse...

Esse escapou-me.

Olaio disse...

É mesmo muito bom, caraças!

Silvares disse...

Beto, pode colocar à confiança!

Eduardo, longe de mim adiantar o que quer que seja que possa revelar algo significativo sobre o enredo do filme. Por isso fica sempre uma opinião muito ampla.
:-)

Caçador, nem parece teu!

Olaio, vi a tua filha no Auditório F. L. Graça, tu já tinhas visto noutro lugar, não?

Anónimo disse...

oi Silvares,
tô passando hoje, rapidinho. Tava por aí na internet e vi um guia Japão, legal, dá só uma olhadinha:

http://www.japaoinfotur.org/hakone.asp
e também vou anotar na lista este filme. nada de filme brazuca?