sábado, março 18, 2006

Vergonha

Sinceramente, palavra de honra! Tenho tentado olhar para o novo Presidente da República com outros olhos que não estes, os que trago desde que me conheço.
A verdade é que nunca gostei do homem. Sempre o considerei um cêpo, sem cultura nem sentimentos de gente, uma espécie de coisa ruim que nos saíu em sorte num dia de azar infinito.
Mas, admito, tudo isto pode ser uma "questão de pele" capaz de gerar um preconceito inultrapassável por muitos anos que viva (eu ou ele, ou ambos os dois). Posso estar tão irritado com a vitória do senhor Silva que não sou capaz de ver como são belos os sentimentos que o animam nem saudáveis as ideias que (dizem) lhe dançam na cabeça mais uma valsa que uma dança macabra. Raios e coriscos, não sou capaz! Não consigo acreditar.

Continuo a vê-lo como um tipo cinzento, incapaz de um gesto criativo, de uma visão minimamente iluminada por uma velazinha que fosse, um pequeno sopro de inteligência. Nada!
Sou capaz, apenas, de vislumbrar um tipo mais vaidoso desde que foi eleito para o cargo actual e, por isso mesmo, ainda mais cego e inchado, convencido de que as coisas acontecem por serem inevitáveis e não por serem fruto do intelecto.
Na perspectiva cavaquista do universo, o homem existe para confirmar a existência de si próprio. A forma como os acontecimentos evoluem depende exclusivamente de uma vontade superior, extra-humana, uma espécie de super-divindade económica, um ser sem corpo nem substância que dita o destino da humanidade: a sua própria extinção graças à superioridade da boçalidade avarenta que governa o universo e o criou à sua imagem e semelhança.

Cavaco não é mais que um profeta de segunda linha desta besta travestida de divindade. Um daqueles que será surpreendido quando perceber que nem mesmo para ele haverá misericórdia quando o seu deus do dinheiro vier cobrar o que considerar que lhe é devido. Aí teremos outra vez aquela careta que Cavaco inventou quando lhe perguntaram o que pensava das declarações de Santana Lopes sobre a sua candidatura a Belém. A imagem perfeita do homem que nos irá representar no mundo.

Vergonha! Vergonhaça da grossa!!!!

4 comentários:

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Estou completamente de acordo!!
Parabéns pelo teu blog :)

alice disse...

Eu tento convencer-me de que o cara de pau tem afinal,alguma humanidade. Mas vivi 10 anos de cavaquismo sempre sem o ser e também não consigo engolir este self-made-man

Sofia Loureiro dos Santos disse...

É verdade, a careta. É um pesadelo!

Silvares disse...

Realmente... deve ser mesmo duro e seco como um santo de pau carunchoso!