quarta-feira, março 22, 2006

Sonho de uma noite de Primavera

escultura em gesso de Anthony Gormley

Os homens do lixo lá levaram o cadáver do gato.
Os vizinhos, do outro lado da rua, voltaram a representar cenas desesperadas em plena calçada. Gritos, choro, cabeçadas violentas no tronco de uma árvore, mais gritos. Os estores subindo discretamente, cabeças despenteadas, mulheres de robe debruçadas, o espaço público transformado em palco, os prédios de apartamentos em suspeito anfiteatro.
Mas a performance daqueles artistas improvisados não foi convincente. Do meu lugar não tinha visão total sobre o espaço de cena, o som era deficiente, desisti. Fomos desistindo. O público retirou-se para o interior das respectivas cavernas particulares, com as janelinhas dos écrans a abrirem outras narrativas ao cérebro de cada um.
Comodamente sós.

Tentei regressar a Jerusalém pela mão de Gonçalo M. Tavares mas não me apeteceu continuar a ler. Depois daquele pedaço de drama na calçada aquela literatura pareceu-me pouco.
Liguei o computador. Passeei um pouco, mas nada. Chatice.
A minha filha foi para a cama (terá sonhado com vizinhos cabeçudos a tentarem derrubar a floresta da Amazónia à marrada?)... tudo normal.
Lembrei-me das tulipas que plantámos num vaso da varanda! Fui vê-las e... caramba!!! O milagre dera-se entretanto. Sumptuosas, orgulhosas da sua beleza natural, lá estavam as flores, empertigadas até ao céu que só elas são capazes de alcançar.
Porra, como fora capaz de esquecê-las? A Primavera não chegara com a morte do gato à porta de minha casa, já ali estava, na varanda, só que eu, distraído pela morbidez quotidiana, nem reparara!!!
Quando chegar a casa vou fotografá-las para as mostrar ao mundo.

Terão os meus vizinhos tulipas amarelas na varanda?
Sonham os andróides com carneiros eléctricos?
Será que o gajo das cabeçadas chegou a partir a cabeça?

2 comentários:

ana gouveia disse...

rui, já há uns tempos que te venho espreitar.gosto muito do que leio, e assim não é preciso andar a ver se "há rui no Público "...também tenho um jasmim que me avisou que, apesar do inverno mesquinho das calçadas, a primavera já começou. ana gouveia

fada*do*lar disse...

Não te esqueças de mostrar as tuas tulipas.
O mundo está à espera! :-D