sexta-feira, abril 11, 2008

Para acabar de vez com uma treta


Uma mentira muitas vezes repetida começa a parecer-se cada vez mais com a verdade que não é.

O caso do cãozinho "assassinado" por um artista desumano é um exemplo paradoxal de desinformação e empolamento. As pessoas, boazinhas por natureza, perante um relato parcial de um acontecimento possível, deixam-se levar na onda e acabam a fazer um papel que decerto não estavam interessadas em desempenhar.

Esta história tem feito correr muito e-mail e abaixo-assinados, fruto de um impulso irracional que nos assalta quando somos confrontados com os limites da nossa prórpia bondade. A maioria pretende afirmar a sua humanidade que se reflecte no amor pelo próximo e, prova suprema, no amor pelos animais. Esquecendo que os comemos assados, cozidos, estufados, etc. e tal, depois de mortos no matadouro e devidamente retalhados, muitos de nós bradam aos céus sem hesitar sempre que lhes (nos) cheira a injustiça animal.

É um fenómeno intrigante que não pretendo aqui explorar. Quero apenas deixar mais uma entrada para um local na NET onde a história é, finalmente, muito bem contada e devidamente explicada.

Convido o leitor a consultar esta Onda Punk e, por uma vez que seja, deixar-se influenciar por uma notícia (aparentemente) bem fundamentada e apresentada de forma descomprometida. Um trabalho excelente a todos os níveis, uma pequena lição de clarividência.


Mais uma vez foi através do Bitaites que lá cheguei. O "anónimo" que comentou um post aí mais para trás, se estiver a ler estas linhas, tenha um pouco de coragem e, pelo menos defronte ao espelho, assuma a sua... falta de rigor. Fiquemos por aqui.

3 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Silvares,

mais uma vez obrigado pelo texto, pelo real exclarecimento e pelo repúdio desses comentários anõnomos agressivos e descomprometidos com os fatos, sejam eles falsos ou verdadeiros.
Vou voltar ao assunto no Varal, por ele VARAL ter sido MUITO agredido por ANONIMOS e outras pessoas que culparam o Varal por ter participado ( informando )da farsa e da petição, que a meu ver não revela nenhum ato impróprio, tendo em vista os fatos inicialmente noticiados!

Silvares disse...

Eduardo, acreditar não é crime! Inventar factos é que é uma coisa estranha.

Jo-zéi F. disse...

As tretas e os boatos espalham-se mto rapidamente...vão com o vento.
A situação realmente era cruel demais para crermos nela.