sexta-feira, setembro 09, 2011

Conversa

Não resta a mais pequena dúvida, o grande problema com que um ser humano se debate é o da comunicação. Encostado ao balcão da tasca, bebendo uma imperial enquanto passo os olhos pelas letras gordas do Record, ouço distraidamente uma troca de palavras entre a senhora que está do lado de lá e uma outra, cliente, como eu, que quase se deita sobre o dito balcão.

É uma conversa indolente, num nível de linguagem bastante pobre. Não percebo bem o assunto nem isso me interessa particularmente. Falam sobre questões do quotidiano, coisas vagamente dolorosas que parecem ocupar-lhes o espírito com alguma urgência. Não me parece que procurem respostas ou que, sequer, reflictam sobre nada em especial. Limitam-se a falar, preenchendo uma necessidade urgente.

A conversa terminou sem aparente conclusão. Suspendeu-se de súbito. Olhei de soslaio as duas senhoras. Pareciam aliviadas. Despediram-se: até amanhã se Deus quiser; e pronto. As coisas ficaram assim mesmo, resolvidas ou por resolver, isso não pareceu ter importância.

Há quem pague a um psicólogo, há quem escreva em blogues, há quem escreva livros com centenas de páginas, há quem se dedique à política, todos querem comunicar e ter alguém que os ouça. Pelo menos isso. Sobretudo isso.

4 comentários:

Eduardo P.L disse...

Ôtima crônica! Levei para o nosso Sociedade Anônima,e Drops !

banzai disse...

e não é que ultimamente é o que mais tenho feito: ouvido os outros, acho que sou boa ouvinte, hihihihihihi
bjs
madoka

expressodalinha disse...

Comunicamos para não nos sentirmos sós.

Silvares disse...

Eduardo, vivam os blogues!
:-D

Madoka, saber ouvir é uma das melhores maneiras de falar com os outros.

Jorge, concordo.