sábado, março 06, 2010

Dias santos


Há dias assim, dias santos. Dias que acontecem mesmo sem que tenha chegado o Domingo nem a Páscoa, dias que não precisam de nada disso para serem assim mesmo: santos. Hoje foi dia santo para mim.

Estava eu a resolver uns quantos assuntos pendentes, agarrado a esta coisa, tropeçando na NET, escrevinhando textos, respondendo a e-mails, actualizando outros blogues com mais cabeça, quando ouvi sons lá em baixo que mostravam que as minhas meninas se preparavam para ver o filme "Ligações Perigosas" de Stephen Frears. Como os assuntos que tinha em mãos estavam adiantados e longe de serem urgentes, resolvi descer as escadas só para ver a primeira cena do filme. Desci. Sentei-me. Vi a primeira cena. Melhor dizendo, revi a primeira cena e a segunda e a terceira, enfeitiçado revi todo o filme.

Já perdi a conta às vezes que vi "Ligações Perigosas". Mais que cinco, seguramente, e menos que dez, disso estou certo. O deslumbramento do guarda-roupa, a perfeição dos desempenhos dos actores, a fluidez exemplar da narrativa, são algumas das razões que me fazem rever o filme com tanto prazer, quase avidez. Estou certo que o tempo, numa situação como esta, não passa. O tempo paira simplesmente, como um pássaro levado pelo vento. Quando o filme acaba, catrapum! O pássaro cai com estrondo. Mas não se magoa.

Agora estou de regresso às minhas obrigações (com este parêntesis, para escrever este post), calmamente e revigorado. A arte, seja a sétima ou outra qualquer, tem esta capacidade de santificar os dias que vivemos.

8 comentários:

Chapa disse...

Bravo!!

Eduardo P.L disse...

Queria ter o seu "tempo". Gostar de cinema como você gosta, e notem, já gostei. Mas sem a sua profundidade e prazer. Gostaria depois disso poder sentar e escrever um texto com essa competência! Queria sentir meus dias santos! Vou sempre dormir ( muito cedo, porque acordo, sempre, muito cedo) com a sensação de que o dia foi perdido para o diabo, muito longe dos santos!

Marliborges disse...

Olá amigo, cheguei aqui através de outro blog e simplesmente adorei! Também gosto de cinema e esse filme que estás a falar, eu ainda não vi, mas agora, certamente verei, podes crer, hehe. E não passa desta semana, depois te conto. Sou ligada em filmes assim, digamos, bem cuidados, nem precisa ter muitas produções, mas deve ter bons diálogos, isso sim, aliás basta ter um bom diálogo e já me conquistou.
Teu blog é ótimo, já sei que ficarei muito tempo por aqui, há muito o que ler e apreciar.
Um beijo grande

expressodalinha disse...

Grande filme. Vai ver o blog Bloomsday,pode ser que aches graça.Está linkado no meu.

Lina Faria disse...

Esse olhar envolvente e sedutor de Malkovich é de arrasar!
Silvares, aos devotos do belo, a arte é alimento.

Kika disse...

Nooossa...
É exatamente assim que me sinto... Só que nunca consegui descrever dessa forma tão "santa". Imaginei toda cena... Sério! Também sinto este enlevo e prazer com a música. A arte é divina. Sinto-me alimentada;a alma lavada.Santa seja toda arte! Santo é seu texto... LINDO!

o Zé caçador disse...

Amén.

Silvares disse...

Amigos meus, Deus é grande mas arte também não é nada pequena.