quarta-feira, junho 24, 2009

Inquietação


Uma pessoa está inquieta. O mundo roda, aparentemente, como é costume; às voltas sobre si próprio, em voltas mais largas ao redor do Sol, como se dançasse uma valsa eterna com o universo inteiro enfiado no mesmo salão de baile. Mas uma pessoa está inquieta.

Os automóveis rolam lá fora. Olhando-os cá de cima, da janela, parecem mover-se sózinhos, máquinas e motores em andamento, independentes da vontade humana. Rolam nas ruas, rolam nas estradas que são como veias do corpo imenso da cidade. Ininterruptamente. É impossível imaginar o mundo sem automóveis a rolar. Um mundo repleto de automóveis parados é um cadáver de mundo. E uma pessoa sente-se inquieta.

No café a televisão fala para si mesma. Ninguém parece dar-lhe atenção. Passam imagens terríveis de pessoas ensanguentadas, pessoas furiosas, outras parecem assustadas. Logo a seguir a vedeta mais recente sorri para nós. Então tudo regressa ao seu devido lugar. Aquele sorriso vale milhões e as pessoas assassinadas deixam de ter importância. Mas a inquietação não desaparece, antes se transforma. A televisão prossegue o seu monólogo.

Caminhando rua acima uma pessoa cruza-se com outras pessoas, em tudo semelhantes. Ninguém parece aperceber-se da inquietação alheia. Uns sorriem, outros nem por isso. Alguns sentem uma vontade imensa de chorar. Outros quase rebentam de alegria. Passam para lá e para cá, desviam-se, páram, voltam a andar.

É assim a vida na cidade ocidental. Longe de deus, longe dos homens, longe de tudo o que está próximo, mais longe ainda daquilo que é longínquo. Máquinas que são como pessoas e pessoas que se assemelham a máquinas em perpétuo movimento. Diz-se que "parar é morrer" e uma pessoa fica inquieta.

A inquietação põe-nos em movimento, mantém-nos vivos. Caminhamos a correr, respiramos de forma sincopada, como máquinas de viver. No dia em que sossegarmos iremos morrer?

15 comentários:

Rustenes disse...

Belo poster para uma reflexão, parabéns pelas palavras muito bem colocadas...

expressodalinha disse...

Há sempre a meditação transcendental e zen... Mas se ficarmos muito, muito sossegadinhos, é mau sinal.

Eduardo P.L disse...

Não sei porque seu texto me fez lembrar de uma propaganda de uma Transportadora de mudanças em São Paulo. Claro que era de portugueses:" O Mundo gira, e a Luzitana rodaO Peri vai lembrar!!!!

Ví Leardi disse...

...vivemos em uma selva de pedras...longe de tudo aquilo para o que nascemos...o contato próximo com a natureza vital cada vez mais distante... 'mais longe do que é longínquo'...

"A Ayurveda diz que nossa natureza é formada de 3 qualidades básicas...forças e energias que determinam nosso desenvolvimento...os GUNAS...em sânscrito,"o que ata"... são as qualidades mais sutis que fundamentam a matéria,vida e mente.
SATTVA..cria harmonia equilibrio e estabilidade...levando ao contentamento e paz interior.
RAJAS...é egoista...separativo leva a fragmentação perturbando o equilibrio causando dor e conflito...
TAMAS...a qualidade da inércia da escuridão e embotamento causando decadência...
Rajas e Tamas produzem uma desarmonia mental...uma imaginação deturpada e ilusória da realidade...é deles que advém a falsa idéia do mundo exterior como sendo real em sí mesmo,o que nos leva a buscar a felicidade fora de nós mesmos...Vivemos em uma era RAJASTICA...longe de DEUS,longe dos HOMENS...como máquinas!!!"
***
Silvares desculpe a delonga...mas não pude deixar de colocar aqui o que tenho aprendido em minhas novas aulas de auto conhecimento dentro da filosfia Ayurvédica e Budista...Seu texto parece proposital ao que temos discutido nos últimos dias...Mais aberta do que nunca para entender um minimo "de quem somos e para onde vamos" percebi que é o ORIENTE que pode nos trazer um pouco de paz fugindo desta inquietação,que como vc diz nos mantém vivos...mas com que qualidade de vida???
É impressionante o que a técnica da meditação é capaz de fazer, mesmo para os que não acreditam...aprendemos a respirar deixando esta "máquina" a que vc tão bem se refere à distância e voltamos para dentro nos aproximando de SATTVA..a energia...do contentamento e tranquilidade...

Bom..nada disto é solução para este mundo caótico de hoje...mas a simples consciência de que é assim e a procura de o entendermos melhor há de nos dar uma certa paz...nos distanciando desta terrível inquietação...que esta sim nos leva-rá mais cedo...!!!

Mais um texto memorável...!
Sorry again...pelo "aluguel"...
:-))...mas adorei perceber o quanto estou gostando deste novo olhar sobre as coisas e nós mesmos e... me entusiasmei escrever...!

;)

Selena Sartorelo disse...

Olá Silvares..Primeiro impossível e insensível não comentar o ímpeto com que a Ví descreveu com tanta propriedade essa questão e seu momento intenso de compreensão, escolhendo tão preciosas citações.
Depois tento a minha maneira, pois só não as faço referências por não ter memória para recordar-me delas com a mesma competência, e digo que de que vale essa inquietude externa, todo esse barulho se estamos estagnados interiormente.
Parabéns pela postagem.
Vivemos um momento que marcará a história da humanidade, pelo simples e verdaeiro sentido das coisas.

Beijos,

Alice Salles disse...

Pra mim é assim, penso que se sossego para a roda interna...

Caçador disse...

Caraças, qualquer dia gamo-te um post. A este punha um clik com a inquietação do José Mário Branco, logo a abrir.

Abraço.

jugioli disse...

O mundo é esse redemoinho, nosso alimento, e assim não há dúvidas de que o tempo e o espaço nos alimentam, somo o produto humano com sua indagações, e o que nos diferencia apesar de tanta similaridade, eu acredito que seja o pensar, atestando nossas incertezas.

@dis-cursos

Alícia Moreira disse...

Francis Bancon!!!!
A melhor sobremesa do museu do Prado nas passadas férias da Páscoa!


Parabéns, conteúdos excelente, não é neste blog, mas quem se lembra de documentar um livro de história de arte?!Óptimo, admiro
Só lamento não ter visto antes de fazer exame :)

Beto Canales disse...

Ótimo

roserouge disse...

Não morremos, mas vamos perdendo o interesse em certas coisas e ganhando em outras. Tudo é relativo, tudo gira, tudo é cíclico. Só nos queremos sentir bem. All the time.

Café com Leite disse...

te visitando e passeando em seus posters..........

Silvares disse...

Grato por todos os comentários. Peço desculpa pela rapidez deste comentário mas a verdade é que estou muito apressado. Amanhã de manhã parto em viagem. Até mais ver!

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui pra conhecer um pouco sobre Angola!!Abraços Ademar!!

MUMIA disse...

RUI: BOA VIAGEM!!!
e levas o bacon???, o presunto???
*/o