segunda-feira, setembro 06, 2010

Mania das grandezas


Afinal de contas Portugal existe no universo artístico internacional. Se dúvidas houvesse, a apreensão de um número interessante de falsificações de obras (ler aqui) assinadas por grandes nomes da História da Arte mostra que não andamos a dormir e que a nossa condição de país periférico nao nos impede de figurar no panorama da grande vigarice. Tem o seu glamour...

"Até agora, a maioria dos casos de falsificação de pintura detectados em Portugal era de artistas portuguesas ou de alguma forma relacionados com Portugal", indicou o inspector da PJ João Oliveira.

Ouvi declarações do referido inspector num noticiário televisivo e notei-lhe uma certa tremura na voz, uma emoçãozinha lá em baixo, vinda do coração. Também eu partilho dessa emoção. Ter um Picasso falso a rondar as leiloeiras é muito mais emocionante do que ter por aí uma falsificação de Maria Helena Vieira da Silva.

Somos assim, ficamos deleitados com a grandeza das coisas que acontecem no nosso país. Seja para o bem ou seja para o mal, o que interessa é que sejam grandes. Note-se que a notícia referida conclui dizendo que "Do conjunto de quadros apreendidos, de várias dimensões, destacam-se seis obras com a assinatura de Picasso, alguns desenhos e outras pinturas sobre papel, todas elas presumivelmente falsas". Note-se que Miró ou Rubens são aqui diminuídos perante o brilho das falsificações do mestre cubista. É lindo.

2 comentários:

Eduardo P.L disse...

...lindo !!!!

Silvares disse...

É, não é?