sexta-feira, janeiro 04, 2013

Ano novo

A tentação para a auto-comiseração é grande mas, sendo tentação, é possível que seja pecado. Andar para aí, a chorar pelos cantos, até que pode dar jeito. Sempre esvaziamos a merda dos sacos lacrimais e ficamos com o olhar mais límpido, lavadinho.

Após termos chorado tudo o que havia para chorar e lamentado o que havia para lamentar, das duas uma: ou repetimos a coisa ou cagamos nisso.

Repetir o choradinho em loop não atrasa nem adianta. Estando feito, é meter no saco e atirar ao rio com duas pedras a ajudar que descubra o fundo.

Cagando nisso (assoado o nariz e esfregados os olhos) é tempo de pensar uns segundos no que se segue. O que vem aí? Aí vimos nós, aos saltos, com botas e pés pesados! Acautelem-se os que não são dos nossos!

4 comentários:

the dear Zé disse...

comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop comentário em loop

O faroleiro disse...

http://youtu.be/VYrCywgpXoE

Silvares disse...

Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé,Zé, zé, zé, zé, e por aí fora...

Faroleiro, é um regresso ao passado só que com contornos de contemporaneidade.

expressodalinha disse...

Vai ser um ano chato, mas não há grandes alternativas. Por isso, corações ao alto :))