quarta-feira, novembro 11, 2009

Onde é que já vimos isto?


Anteontem cometi um erro o que é uma coisa tão habitual como apertar a camisa ou lavar os dentes pela manhã. Tinha uma marcação no dentista e apresentei-me no consultório às 14h 30m exacta e pontualmente. Tudo perfeito excepto o horário. A marcação era para as 17h 30m. De súbito ali estava eu com 3 horas sem programa previsto. Saí para a rua sem saber muito bem o que fazer. Mas não levei muito tempo até perceber qual a melhor forma de remediar a situação; cinema! Evidentemente.

Depois de uma curtíssima consulta ao jornal optei por ir ver Substitutos, um filme de ficção com Bruce Willis no papel mais espêsso.

Sentei-me no escurinho do cinema com mais dois ou três espectadores e lá fui, filme dentro. A coisa até poderia funcionar a 100% mas fica-se aí por volta dos 50, 60%, vá lá. O filme é certinho, a realização competente, o velho Bruce faz o que dele se espera com aquela eficácia do costume. A fotografia é interessante, o argumento ronda a questão da anulação da personalidade individual por intromissão da tecnologia no quotidiano dos seres humanos que se deixam substituir por máquinas em todas a dimensões da sua existência. No fim, quando os maus são abafados e os bonzinhos mais ou menos premiados, fica a pergunta: mas onde é que eu já vi isto? Sinceramente já não sei bem onde foi, mas sei que já vi este filme noutro filme qualquer.

7 comentários:

Beto Canales disse...

Eu vi e gostei. E a impressão deve ser pelas semelhanças das dezenas de filmes deste estilo. O lugar com é "comum".

Silvares disse...

É isso mesmo. O filme cumpre a função de preencher um espaço de tempo mas falha no preenchimento do indivíduo.
:-)

Lina Faria disse...

Não vi o filme mas, em geral, os vilões desses filmes são sempre interessantes. E os roteiros sempre previsíveis.

Selena Sartorelo disse...

Olá Silvares,

Também já fui vítima desses equívocos de horários, mas minha especialidade é perder carro em grandes estacionamentos.

Acredito que mais que uma produção satisfatória em um filme o processo precisa ser desenvolvido com um cuidado que parece estar em falta nesse mercado e na mente de alguns profissionais.
Existem filmes que se tornaram inesquecíveis e outros que são apenas bons e isso nem sempre tem a ver com a repetição do argumento.
Mas vejo que não é esse o caso.

anareis disse...

Estou fazendo uma Campanha de Natal para crianças necessitadas da minha comunidade carente,são crianças que não tem nada no Natal,as doações serão destinadas a compra de cestas básicas-roupas-calçados e brinquedos. Se cada um de nós doar-mos um pouquinho DEUS multiplicará em muitas crianças felizes. Se voce quiser ajudar é fácil,basta depositar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Voce verá como doar faz bem a Alma,obrigado. meu email asilvareis10@gmail.com

Eduardo P.L disse...

Mas ainda melhor do que ficar esoerando das 14 às 17 horas sem nenhuma ação!!!! srsrs

jugioli disse...

Concordo com você, o mundo anda se repetindo, mas ainda bem que estamos vacinados e procurando coisas novas, e saber descriminá-las é um ato de sensibilidade.

bjs.