segunda-feira, julho 08, 2013

Rejeição abjeccionista

A bosta mole em que se transformou a vida (!?) política portuguesa nos dias mais recentes é coisa para nausear os estômagos mais calejados. Como sobreviver a tamanha sucessão de vilezas e putices, é algo que vou ter de treinar.

Perdi definitivamente qualquer réstea de respeito que pudesse obrigar-me a inventar em relação aos patetas que nos governam. Sinto a mais profunda abjecção em relação a esta gentalha enfatuada. Estes papa-hóstias, estes sabujos, cães-de-colo perfumados que lambem o cú e os tomates, como qualquer outro cão, como um cão vadio, estes mentirosos compulsivos, falsos, dissimulados, estes imbecis estão a destruir o que resta da frágil imagem da Democracia. Estes seres vivos são a ruína da Democracia, são os sacerdotes da democracia, com "d", a coisa nojenta em que sobrevivem.

A partir de hoje nunca mais irei referir-me a Portas, nem a Passos Coelho, nem ao palhaço-mor (já nem me dou ao trabalho de nomear o palhaço-mor). A partir de hoje estes insectos deixam de merecer o que quer que seja além de uma pisadela que os espalme no soalho e os reduza à sua dimensão rastejante e infecciosa.

Morram todos, morram, pim.

5 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Entendo perfeitamente sua indignação. Aqui no Brasil, não por mera coincidência, são todos iguais.

Silvares disse...

Eduardo, sendo os nossos países irmãos não seria de esperar outra coisa.
:-(

the dear Zé disse...

é o abjeccionismo sem nenhuma arte, um nojo!

Silvares disse...

Zé, para mim estão mortos (só não estão enterrados).

luísM disse...

O problema meu caro, é que são um problema! São poder, fazem leis, definem regras, aplicam medidas e tu (nós!) não tens poder. Contesta-lo, mas pagas IVA a 23%, sobretaxa de IRS, centros de saúde e hospitais a rebentarem de mau funcionamento e falta de meios sobre a taxa moderadora e tudo por aí, até aos relatórios de escola que não servem para grande coisa, mas têm de ser feitos para se mostrar dinamismo e rigor no ensino (esta é de risos, para quem lá anda).

Como podes ignorá-los?! Eu não sou capaz, apenas mudo de agulha quando me aparecem.
Pelo contrário, gostava de os apanhar à frente e podes crer que não lhes virava as costas, Se refilamos com quem nos está próximo, quando nos trata com desrespeito, por maioria de razões deveríamos confrontar estes energúmenos completamente ignorantes de valores democráticos básicos. Como criançolas encantadas com a brincadeira do exercício do poder, têm de ser postos na ordem! Concordo que são gente morta, que não tem sequer capacidade para o notar. Então devem ser enterrados.

Eu até lhes abria a cova...