segunda-feira, fevereiro 06, 2012

Quatro filmes que eu vi

Estamos em época primaveril, no que a cinema diz respeito. A proximidade da cerimónia de entrega dos Oscares faz com que as estreias se sucedam com um pouco (muito) mais mediatismo do que é habitual ao longo dos restantes dias do ano.

Talvez pelos títulos entusiásticos e imaginativos que vão rondando as páginas dos jornais ou pelos programas da "especialidade" que passam na TV, onde as vedetas e os realizadores dão entrevistas "exclusivas" umas a seguir ás outras, a vontade de enfiar a caveira na escuridão do cineminha aumenta e um gajo faz-lhe a vontade. Com prazer.
Nos últimos tempos fui ver mais 4 filmes 4, todos bem diferentes uns dos outros.
Começo por referir "A minha semana com Marylin", uma impecável produção da BBC Films em ritmo de valsa dançada num salão luxuoso ou, pelo menos, bem arrumadinho, com os cantos limpos de pó e soalho encerado. Sai-se mais ou menos da mesma maneira como se entrou mas, pessoalmente, saí com a sensação de que não tinha perdido o meu tempo se bem que também não tenha guardado nada de muito especial nos arquivos desarrumados da minha mente.
Razoável, eficaz e aerodinâmico. Despretensioso.

Depois fui ver a versão americana de "Millennium 1: Os Homens Que Odeiam as Mulheres-A rapariga com a tatuagem do dragão". Muita gente se questiona sobre a necessidade de fazer um "remake" de um filme tão recente quanto a versão original, de origem sueca. Ora aí está a resposta, um filme sueco não penetra facilmente o mercado de língua inglesa, particularmente o mercado norte-americano onde a esmagadora maioria das pessoas não tem noção da localização geográfica da pátria de Ingmar Bergman. Esta versão tem a assinatura de David Fincher (autor de "Se7en" ou "Clube de Combate", entre outros) o que, só por si, seria razão suficiente para merecer a curiosidade do espectador. E também este filme se revela um objecto correcto e pleno de sapiência narrativa. Acrescenta algo de inolvidável a uma mente cinéfila? Duvido. Mas não deixa de ser um filme escorreito e certinho como a dentição de uma qualquer vedeta de Hollywood.

Segue-se nesta pequena lista "Os descendentes". Aqui já há mais qualquer coisinha. À saída fica-se com um travo agradável a cineminha de boa colheita. Com um George Clooney a mostrar que tem muito mais para oferecer do que um sorriso maroto à maneira do Nespressoman apoiado num conjunto de actores de suporte muito bem escolhido. O filme rola em velocidade de cruzeiro, levando-nos a viajar numa história sem personagens extraordinárias nem acontecimentos capazes de abanar as fundações deste mundo. Tudo se passa entre pessoas banais, com problemas banais que encontram soluções muito... banais e, com isso, nos confortam e aquecem o coração nestes dias de Inverno. Curioso (no mínimo).

Finalmente uma palavra para a sensação do momento: "O Artista". Este é, sem sombra para dúvidas, um filme extraordinário. Digo extraordinário na medida em que não obedece ás regras normais (ordinárias) da narrativa cinematográfica contemporânea, propondo sobre o cinema um olhar inesperado e repleto de sorrisinhos. Cada plano é uma peça de relojoaria, cada expressão dos actores um jogo de sinais, cada sequência narrativa um arrepio de prazer. Não será um assombro de conteúdo, não é, mas que é um assombro de realização e montagem, isso é. Muito bom.

Resumindo e concluindo: vai ao cinema, leitor amigo, tens muitas razões para o fazer e, em breve, estrearão mais umas quantas, o que poderá dificultar a tua intenção de ver cinema decente.

10 comentários:

Eduardo P.L disse...

Irei.

luísM disse...

Pá, são demasiados filmes para conversar por escrito. O Millenium, confirma o D. Fincher afastado das abordagens que o tornaram notado. Se pretende tratar de pessoas em situações de "circuito fechado", perdeu a mão. No filme, passou dum início de espaços abertos para um fechamento progressivo, enquanto as personagens se revelavam, mas subordinou tudo ao "thriler". Teve a vantagem de eliminar muita da palha do livro, que me parece uma obra menor (e chata às vezes), concentrando-se nas máscaras sociais e no escalpelizar o seu miolo. O início é poderoso, mas cai no vazio. O filme do Clooney é engraçado, mas falta-lhe intensidade na maior parte, escorre como dizes. Consegue apontamentos interessantes (que podem justificar a visita a um cinema longe de si, sem pipocas), indicando uma possível abordagem diferente do triângulo amoroso, nomeadamente na relação de afetos no casal. Com as filhas, enfim, foi a despachar, a parte da redenção final, enfim, também.

O resto fica para um café.

Os outros não vi...

Silvares disse...

Eduardo, vá. Vai ver que não se arrepende.
:-)

Luís, se se produzissem obras-primas ao ritmo desejado, deixariam de fazer sentido e passavam, rapidamente, a obras-sobrinhas ou qualquer coisa do género.

Li Ferreira Nhan disse...

Satisfeita com as apreciações. Resumidas e bem ditas. Muito obrigada!

Ir ao cinema já são outros 500. Já gostei muito, mas tal como dirigir em estradas estou deixando de fazer. De uns tempos pra cá, não sei pq mas não consigo. Minha visão embaralha, me acomete um sono rápido, imenso e profundo. Há qualquer coisa de errado ou é a idade. Sei lá.
Melhor esperar nas locadoras.
;)

banzai disse...

e que estreiem (conjuguei o verbo certo?) mais umas quantas, ulalá!!! Dos 4, o `Artista´é inédito pra mim, me interessou. Vc comentou do George Clooney, assim como Leo de Caprio e Brad Pitt tem muito mais a oferecer do que um sorriso lindo né?
bjos
madoka

Silvares disse...

Li, há filmes podem ser vistos em todos os suportes sem que se perca grande coisa mas "O Artista" merece cineminha mesmo!
:-)

Madoka, conjugou na perfeição! O Mr. Clooney está lançado para o Oscar de melhor actor deste ano. Numa das cenas finais ele põe toda a gente a fungar e limpar o cantinho do olho. E faz isso com tamanha simplicidade que só podemos aplaudir a sua arte dramática. Mas ele está demais durante o filme todo. Ele e a "filha" mais velha. Quando um actor "está lá" os outros vão com ele!!!
"O Artista" é, de facto, uma coisa que vem de um outro mundo.
:-)

Bons filmes.

Zé Marreta disse...

Desta lista, sinceramente seduz-me o último, os outros nem tanto.
Pese embora nos tempos actuais seja difícil (se não impossível) ver cinema alternativo, independente e de autor de qualidade, em contrapartida ao cinema comercial da pipoca e do detergente para lavar motores, irei certamente vê-lo, até porque o cinema é um "bichinho" que pulula cá dentro e não me larga. E à falta de melhor, lá vou eu à 1/2 noite, depois do filme ter 2 ou 3 semanas de exibição para evitar a molhada e pisar amalgamas de milho, ao concentrado do consumismo cá do burgo.

Saudações!

Silvares disse...

Zé, compreendo-te perfeitamente, é difícil suportar o estalido das pipocas mas a vontade de ver filmes berra (muito) mais alto.
:-)
Bom cinema.

expressodalinha disse...

Gostei muito Dos Homens que Odeiam as Mulheres. Os outros não quero ver.

expressodalinha disse...

O Edgar é muito bom.