sexta-feira, junho 24, 2011

Weiwei na gaiola grande


O caso da detenção de Ai Weiwei deu que falar em todo o mundo lá para o início do passado mês de Abril. As autoridades chinesas eclipsaram o artista sem qualquer justificação. Depois veio a suspeitar-se que o problema era relacionado com pornografia, finalmente estabeleceu-se que Weiwei tinha problemas graves com o fisco e, por isso, havia argumentos suficientes para o engavetar em parte incerta e deixá-lo sem contacto com o mundo exterior.

O regime chinês é uma coisa estranha. Nem comunista, nem capitalista, talvez uma miscelânea de ambas as coisas, cozinhada em lume pouco brando. O poder central põe e dispõe das vidas dos cidadãos, das leis, das regras, enfim, mete o nariz em todo o lado e tenta controlar tudo o que pode em proveito próprio.

Weiwei foi libertado. Finalmente! Mas, tal como em tantas outras situações, também aqui o governo chinês inovou. Ao que consta o artista foi libertado com a condição de se manter caladinho durante um ano (ver aqui) e não pode ausentar-se da sua residência. Abriram-lhe a porta da gaiolinha onde o mantinham sem contacto com o mundo exterior, para o colocarem numa outra gaiola.

O que pensará agora Weiwei sobre a liberdade? O que é ser livre na China? Um tipo fechado à chave está preso, sem dúvida. E um tipo impedido de falar abertamente mas que pode passear o cú pelas ruas? Estará livre? Imagino que sempre seja melhor poder passear mas duma coisa tenho a certeza: não é suficiente!

1 comentário:

Eduardo P.L disse...

Esses Chineses são loucos mesmo!!!! E loucos de continuarem lá!