terça-feira, agosto 03, 2010

Estação parva, pensamento a condizer...


seca do bacalhau (o Fiel Amigo do povo português)


O nosso pequeno mundo está assim, numa espécie de banho-maria. As elevadas temperaturas do Verão português fazem com que os cérebros cozam um bocadinho e algumas pessoas pareçam ainda mais estranhecas do que já pareciam quando tinham a massa cinzenta conservada em temperatura de arca frigorífica. Com o calor as ideias parece que derretem e, em vez de saírem firmes e hirtas, como convinha, antes escorrem, liquídas e peganhentas, moles, repulsivas.

No Verão convém tomar cuidados extra com a conservação das coisas que estão sujeitas à acção do calor. A comida não pode ficar fora do frio, correndo o risco de se degradar a olhos vistos, nem os pensamentos devem ser deixados em exposição directa aos raios solares, pois sujeitam-se a perder por completo o sentido, caso o calor seja demasiado.

Chama-se a esta época a "estação parva" (silly season em língua anglófona) e ninguém está livre de se transformar numa verdadeira alimária armada em ser racional, convencida de estar a produzir pensamentos profundos e estruturados quando, na verdade, está a fazer a mais completa figura de urso. E todos sabemos os problemas que o pêlo dos ursos lhes traz na época encalorada que atravessamos.

Os tugas migram em direcção à água do mar, procurando um conforto que ali nunca encontram por serem demasiados em tão curto areal. Amontoam-se, felizes ou infelizes e muito suados, convencidos de que é assim que se encontra a essência das coisas nos dias de Verão. Coitados deles (coitados de nós).

As notícias veiculadas pelos meios de informação mostram como estamos mais parvos do que habitualmente (o que poderá parecer difícil mas, na verdade, é bem fácil). Vou saír do país durante uns dias, para muito longe daqui.

Espero encontrar o país intacto, quando regressar. Quero dizer, espero voltar e poder sentir esta invencível imbecilidade geral que tão heroicamente preservamos e nos torna únicos neste mundo maravilhoso. Espero que Portugal se mantenha firme e hirto e não derreta com o calor que abrasa o território. Espero regressar e continuar merecedor da minha profunda portugalidade.
Até breve.

6 comentários:

expressodalinha disse...

É por isso que fico muito silly...

Anónimo disse...

Como dizia Paulo Leminski, não há inteligência acima de 32º. Muito bom o blog.
Lee Swain
www.euemeuchapeu.com.br

Zé Caçador disse...

"estranhecas"???!!!

Tá bem, vai-te lá embora...E boas férias e tudo

Anónimo disse...

quero muito saber das suas impressões deste lado do mundo.
boa viagem e até breve.
madoka

Beto Canales disse...

àh, férias....

Silvares disse...

Caríssimos, estou de regresso, esgotado mas feliz pela viagem.