domingo, setembro 21, 2014

A pele e os sapatos

Em Portugal (não sei se a expressão é válida noutros países lusófonos) quando pretendemos compreender ou explicar sensações ou atitudes de outra pessoa dizemos: "não lhe queria estar na pele" ou "é preciso estar na pele dele"; "estar na pele" é uma expressão muito forte.

Tentamos expressar a dificuldade extrema de compreender o que vai na alma alheia, assumindo que a única forma de podermos ter uma ideia aproximada do que é o outro seria estar-lhe na pele, habitar o seu próprio corpo.

Os ingleses têm uma expressão vagamente equivalente. Trocam a pele pelos sapatos do outro. "To be in someone's shoes" será, para quem fala esta língua, o suficiente para trocar de lugar com outra pessoa. Quererá isto dizer a mesma coisa?

Convenhamos que as expressões idiomáticas são pistas tortuosas mas significativas daquilo que nos vai na alma... e debaixo da pele.

3 comentários:

Eduardo P.L. disse...

Aqui no Brasil também se usa essa expressão com o mesmo significado. Se colocar na pele do outro. Quanto aos sapatos os ingleses são fanáticos por eles. Fabricam os melhores, mandavam os mordomos usarem para amaciar, e usam na citada expressão, no lugar da "pele", certamente porque acham ainda mais pessoal. Vai entender os ingleses...Bom texto.

Jorge Pinheiro disse...

Lá está, a expressão ganha outro sentido e uma componente cultural diferente.

Silvares disse...

Eduardo, é, os ingleses são gente da chuva e do frio, preocupam-se mais com sapatos do que com a própria pele!
:-)

Jorge, a nossa língua é o nosso mundo.