terça-feira, novembro 01, 2011

Europa, o que és tu?

A Europa está em maus lençóis. Tem-se deitado com quem não devia e, ao acordar, tenta perceber onde está e a merda que fez. Um clássico da leviandade. Acorda-se com a boca seca e uma grande dor de cabeça, sem saber onde se deixaram as calças nem as cuecas que hão-de estar algures. Longe ou perto? Vá-se lá saber.

Talvez que a culpa tenha sido de Zeus, essa divindade viciada em sexo com tudo o que tivesse um sopro vida. Desde que raptou Europa naquela sua célebre golpada do touro branco que a dita cuja nunca mais atinou com as companhias. Anda por aí, perdida ou envergonhada, não se percebe bem. A única certeza é que Europa tem graves problemas de identidade.

A Europa dá-se com gente pouco recomendável e anda a vender-se a pataco. Tornou-se uma puta de berma de estrada, sem grandes cuidados na sua higiene íntima e lambe qualquer bota que lhe pise os calos. Se não mudar de vida ainda vai pegar doenças infecciosas a quem com ela se deitar.

10 comentários:

the dear Zé disse...

ganda puta!

Eduardo P.L disse...

Grande e bem humorado texto!

expressodalinha disse...

Uma sensação de ressaca permanente e com mau vinho.

Olaio disse...

Era bom que se fosse ver o que EM TEMPO(s), certas organizações que na altura foram apelidadas de "anti-europeias", diziam sobre a forma como PS/PSD/CDS conduziram a nossa integração nesta Europa do capital e não dos povos.

Zé Marreta disse...

Esta Europa está há muito condenada. Embora muitos andem alienados da realidade, e outros não andem mas façam passar essa ideia, não existe vacina nem antídoto para a doença de que padece. A cura terá de ser global e administrada pelos povos. A oposição e a intransigência serão elevadas por parte dos senhores do sistema que subsistem com a exploração, desigualdade e ignorância dos cidadãos, mas a hora chegará em que a mudança será inevitável e inadiavel.

Saudações!

Silvares disse...

Dear Zé, de facto...

Eduardo, em tempos como estes precisamos de um pouco de humor.

Jorge, vinho alemão...

Olaio, a nossa integração europeia não foi tão má quanto está a ser esta gestão da crise.

Zé Marreta, quando chegar a hora... BUM!!!

Olaio disse...

Rui, não foi tão má???????????????

O fim da nossa agricultura, da nossa industria metalomecânica, estaleiros Navais, Siderurgia, o fim das pescas, o fim do comércio naval, enfim, o fim de todo o nosso tecido produtivo e tudo a troco de meia dúzia de tostões que te fazem dizer que “até nem foi tão má”.

Tudo sob a batuta de Soares e Cavaco.

E agora parece que uma senhora Merkel, ou os mercados ou a puta que os pariu, a dizer que nós temos que produzir mais. Mas produzir o quê, com o quê?

Ah triste povo que te vendes por tão pouco

Silvares disse...

Olaio, repara que eu disse que "a nossa integração europeia não foi tão má quanto quanto está a ser a gestão desta crise" o que significa que, tendo sido uma integração desastrosa, a gestão desta crise consegue ser ainda pior! Ou seja, tenta curar-se a peste inoculando no doente o vírus da malária. Caramba, sei que a minha escrita não é tão clara e evidente quanto a dos Protocolos dos Sábios do Sião mas, ainda assim, parece-me compreensível.
:-)

Olaio disse...

Protocolos dos Sábios de Sião?...hummmmm, presinto que queres exercitar um pouco as tuas qualidades de "censor" :), espero que ao menos tenhas conhecimento dos textos.

Silvares disse...

Censor? Népias, cada um é livre de escrever o que muito bem quiser, nem que sejam enormidades apenas críveis à luz eléctrica. Quanto aos texos em causa estou suficientemente dentro do assunto. Tanto daquilo que neles é afirmado quanto à forma como foram forjados.
:-)