domingo, outubro 23, 2011

Não ver

Consegui não ver as imagens do assassinato do tirano líbio.

Kadafi apareceu algumas vezes aqui, no 100 Cabeças, principalmente na sua qualidade de amigo dos líderes mundiais. Eram fotos glamourosas que mostravam um homem bem vestido e arrogante abraçado ou apertando a mão dos poderosos das democracias ocidentais. Nalgumas atestava-lhes, até, umas beijocas!

A forma como caíu em desgraça e acabou, abatido como um rato de esgoto, mostram bem a fragilidade da condição política no mundo em que vivemos. Hoje és um gajo poderoso, amanhã és um cadáver sujo de sangue e de merda. Hoje vales tudo o que imaginas e, se calhar, até um pouco mais, amanhã não vales mesmo nada. É a vida... e a morte.

Não sei bem como aconteceu mas li algures que as imagens da morte de Kadafi eram indecorosas. Acreditei e não vi, muito menos as procurei. Não quero vê-las, não quero saber, a exibição da morte enoja-me. Enojaram-me as imagnes das execuções de Saddam Hussein e de Ceausescu, certamente iria acontecer o mesmo com Kadafi. Morreu, está morto. Espero que o enterrem.

Não deixa de ser irónico que Kadafi e Saddam tenham sido ambos apanhados enfiados em buracos, como bichos.

5 comentários:

Li Ferreira Nhan disse...

Muito lúcido, correto, triste e verdadeiro tudo o que vc escreveu.

expressodalinha disse...

Não antevejo nada de bom... Mas, nofundo, há 70 anos na Europa ainda era pior.

Beto Canales disse...

muito bom...

Silvares disse...

Caros amigos, a ética não pode ser dissociada da estética. Nem vice-versa.

Olaio disse...

Kadhafy era um tirano, mas o que se pode dizer de gente como esta:
http://www.youtube.com/watch?v=Fgcd1ghag5Y&feature=player_embedded

A forma como os chamados dirigentes ocidentais (???) brindaram a morte de Kadhafy, mostra que estamos a ser governados pela pior escória, gente do mais asqueroso que é possível.

Já agora, tanto Kadhafy como Saddam, podem ter sido apanhados em buracos, mas foram apanhados (morreram)a combater contra os maiores e mais bem armados exércitos do mundo, o que, tendo sido eles o que tivessem sido na vida, lhes confere um mínimo de dignidade no acto da morte, coisa que aqueles que os mandaram matar nunca terão!