quarta-feira, abril 19, 2017

F......

A sensação não me tranquiliza, antes pelo contrário.

Tenho a sensação de que estamos a construir uma sociedade onde um gajo entra por uma porta e é cidadão e sai por outra transformado em consumidor. Os direitos e deveres são alterados ao longo deste estranho processo de transmutação.

É todo um novo Contrato Social que nos orienta a partir daqui. Consumir implica uma atitude que não se coaduna lá muito bem com a ideia de solidariedade que importava observar quando éramos cidadãos de uma sociedade democrática. O Consumidor é um predador.

Tenho a sensação de que, nesta sociedade, há mais espaço para a intolerância e o que o fascismo apresenta muitos rostos. A maior parte deles sorridentes. Os fascistas aprenderam a sorrir sem parecer que estão apenas a rilhar os dentes.

Em que parte do caminho é que nos enganámos? Quando foi que desobedecemos a nossa mãe e saímos do caminho no meio da floresta? Quando foi que metemos conversa com a merda do Lobo Mau?

Tenho a sensação de que esta sociedade de consumidores acabará por rebentar e com ela rebentará uma parte considerável do planeta (se não todo o planeta).

Tenho a sensação que estamos f......

Sem comentários: