sexta-feira, março 14, 2014

Numeração humana

Os nazis tatuavam nos judeus que mastigaram em Auschwitz aqueles numerozinhos sinistros como factor de identificação. Uns no braço, outros no peito, estavam todos escritos para não haver confusões.

A nós tatuam-nos uma série de numerozinhos no cartão de cidadão: identificação fiscal, utente de saúde, segurança social e mais uns quantos, um pouco menos perceptíveis mas, decerto, individualizados.

Há também os números das contas bancárias (que alguns de nós tatuam na memória), além dos números dos cartões de débito ou de crédito que funcionam como aquelas tatuagens que saem como brinde nas guloseimas das crianças; aquelas que se "tatuam" com água e vão desaparecendo com o tempo.

Estamos todos escrevinhados, riscados e carimbados, identificados, numerados e chipados. Somos como pombos com anilha electrónica, não damos um passo que não possa vir a ser reconstituído no futuro caso seja necessário alguma autoridade saber onde fomos, por forma a poder decidir o que andámos a fazer.

Virá o dia em que todo e cada ser humano será chipado à nascença, um chip enfiado algures, num lugar de onde seja inamovível. Todos os números guardados bem fundo do ser, o sonho de qualquer sistema burocrático contemporâneo.

Estamos marcados para a vida e, decerto, um dia que nos enfiem num caixote e nos enterrem algures, haveremos de ter um numerozinho qualquer que nos identifique, individualize e permita saber com exactidão onde foram depositados os nossos restos mortais.

5 comentários:

Jorge Pinheiro disse...

A tecnologia RFID já permite coisas muito interessantes...

Silvares disse...

Jorge, não sei que tecnologia é essa mas que permite coisas interessantes não duvido. As coisas interessantes são sempre... interessantes.

Jorge Pinheiro disse...

É nova a chamada Internet das Coisas. Vai ao Google. É alucinante.

Eduardo P.L. disse...

Na civilização contemporânea somos um número. Não passamos disso. Interessante ou não, é a realidade.

Silvares disse...

Jorge, não tinha ouvido ainda falar. Uma coisa irreal que vem aí para mudar a nossa realidade!

Eduardo, A realidade não precisa de se impor absolutamente.