domingo, junho 23, 2013

Hipocrisia

A Igreja Católica lidera a contestação à adopção de crianças por casais homossexuais. Os que vêm nesta possibilidade uma aberração absoluta argumentam com tradições culturais e leis naturais. A falta que faz uma figura paternal, o contra-senso que é ter duas mães ou dois pais.

No entanto, as notícias sobre abusos sexuais de menores praticados por membros da Igreja Católica que deviam, à partida, garantir o seu bem-estar material e espiritual, continuam a sair nos meios de comunicação social a um ritmo estonteante. Os órfãos à guarda de padres em instituições de solidariedade social não estão a salvo dos horrores deste mundo. Encontram crueldade predatória onde lhes prometeram amor.

Não ouço as vozes indignadas dos tais guardiões da moral e dos bons costumes, que tanto receiam ver homossexuais a cuidar de crianças, pedir o fecho dessas instituições e a condenação à prisão dos padres pedófilos. Estou em crer que muitas dessas crianças estariam bem melhor entregues a casais anti-naturais do que a homens que são impedidos, por regra religiosa, de o serem.

Sei que estou a misturar "alhos com bugalhos", homossexualidade nada tem a ver com pedofilia. Quero apenas sublinhar a hipocrisia da Igreja Católica que parece mais preocupada com as aparências do que com a essência de certas questões. Não me parece que seja o bem-estar da criançada que move os padres.

4 comentários:

Ana Bailune disse...

Boa tarde! Concordo com você. Melhor ter dois pais ou duas mães a cuidar de uma criança, com amor e respeito, do que não ter nenhum e vê-las irem parar em instituições onde serão maltratadas, ou então, ficar nas ruas, ao abandono total!

expressodalinha disse...

O problema da pedofilia católica tem por base a impossibilidade doutrinária do casamento dos padres, sustentada em argumentos de desconfiança relativamente à divulgação dos segredos da confissão na alcova sacerdotal. Esta é a verdadeira hipocrisia. Acreditar que todos os padres são assexuados por voto religioso. Acabam a enrabar miúdos, em vez de casar como qualquer pessoa normal. A castidade é uma questão de fé?

Silvares disse...

Ana, o preconceito é um jogo complicado.

Jorge, talvez a castidade seja uma questão de Fé. Pelos vistos nem sempre...

the dear Zé disse...

vade retro