quinta-feira, julho 30, 2015

Filosofia de tasca



Se João Miguel Tavares pudesse vir um bocadinho para dentro da minha cabeça, depressa compreenderia, com total nitidez de contorno, que a sua conversa sobre a realidade ser de direita (ler aqui) é uma refinada tolice. Claro que se fosse eu a viajar para dentro do cérebro de João Miguel Tavares decerto veria o mundo ao contrário daquilo que vejo, cá deste lugar que sou eu.

Poderia argumentar, por exemplo, que optar por estabelecer os opostos numa nova dicotomia, ricos vs. classe média, afirmando que “os verdadeiramente pobres são os que morrem silenciosamente no Mediterrâneo”, é um insulto a milhões de portugueses que não sonham o que seja isso de “classe média” porque são tão pobres como muitos dos que se afogam no Nosso Mar. Sei que o João Miguel Tavares não quer insultar ninguém mas, visto de dentro da minha cabeça, aquela sua dicotomia modernaça é uma coisa sem sentido. Para mim, que vivi a infância em pleno salazarismo, há pobres, ricos e remediados; uma espécie de tradução para a vida quotidiana da distinção entre paraíso, inferno e purgatório que me ensinaram nas sessões de catequese. Depois da revolução entraram novas classificações sociais: os camponeses e os operários ganharam forma, comecei a ouvir falar de luta de classes e a coisa fazia todo o sentido. Fazia sentido naquele tempo e continua a fazer sentido nos dias que agora correm, apesar das toneladas de maquilhagem que lhe atiram para cima da tromba, na tentativa de fazer com que ela (a luta de classes) deixe de ser verdadeira e se assemelhe a uma prostituta barata em fim de carreira.

E depois temos a TINA que, vista daqui, é uma espécie de canga como a que se arriava no cachaço das bestas que haviam de puxar o arado. Agora há tractores e jovens agricultores, já não há carros de bois e alcoólicos analfabetos, mas a vontade de lutar por uma vida melhor não deixa de ser parte da realidade. Agora há pulseiras electrónicas e prisões domiciliárias mas a sede de justiça nem por isso é saciada. Quando me lembro da miséria absoluta que era o meu país há 40 anos percebo como agora vivemos incomparavelmente melhor. Também percebo que, para se ter operado tamanha transformação, foi necessário gritar muito, fazer muita greve, atirar muitas calhoadas à TINA e levar umas quantas bastonadas no toutiço. Nada do que temos hoje nos foi oferecido de mão beijada nem vai durar para sempre. É por essas e por outras que recuso a ideia de que a realidade seja de direita; a direita precisa de ser ajudada a exercer a justiça. É um favor que a esquerda lhe costuma fazer e vice-versa.

Na minha juventude aprendi muitas coisas encostado a balcões de tasca, ouvindo bêbados e todo o género de filósofos analfabetos. Foi na tasca que aprendi que a realidade é o que nós fizermos dela. Nas aulas de Filosofia a coisa ficava muito confusa.


2 comentários:

Antonio Cristovao disse...

Gosto de ler este blog e gosto de ler o JMT;
Para reflexão dos que lêm este blog, só alerto para que pensem em que países se vive melhor; naqueles em que as "conquistas da classe operária" foram/ e são a regra e as lutas são como em Portugal: .de vitoria em vitoria até a derrota final(basta ver os sucessivos discursos de 1º maio) ou aqueles onde o capitalismo "imperialista" tem sido regra. Comparem só os números, deixem as narrativas de fora e meditem sobre os factos.

Silvares disse...

A questão, caro António, não é onde se vive pior ou melhor. A questão é que se não tivermos nada, seja num país capitalista ou num país socialista, não vejo grande diferença. Da parte que me toca nem tenho grandes problemas. Para mim é fácil reflectir e produzir um discurso ponderado e distanciado pois tenho uma boa casa, a barriguinha vai crescendo com o passar dos anos, a minha família vive bem. O problema dos que não têm nada (ou têm muito pouco) é igual seja aqui, seja na China ou no Paraguai. São os tais "famélicos da terra" da letra da Internacional...